Curso Astrothon

Jornada da roda das casas e Missão de vida

Hector Othon (astrólogo, ator, cientista natural, artista, facilitador cubano-brasileiro) está facilitando uma vivência no Brasil chamada de “Jornada pela Roda das casas” que consiste em:

  • iniciação nos conceitos básicos da astrologia – informações básicas dos conceitos astrológicos necessários para participar da jornada;
  • dramatização da casa em estudo na jornada de cada participante – inspirados na situação astrológica da casa em estudo no mapa natal e tendo em conta como a pessoa vive os assuntos da casa, encenam-se as questões do participante. Os outros participantes viram atores é incorporam personagens desenhadas pela situação dos planetas, signos, aspectos…
  • a pessoa consciente de como vive os assuntos da casa, e das suas potencialidades astrológicas, pode dramatizar situações desafiadoras que tenha interesse em iluminar.
  • a dramatização traz a cena as forças planetárias vivas na pessoa que permitem entender seu comportamento nos assuntos da casa;
  • a dramatização pode se inspirar também em como a situação astrológica da casa pode contribuir com a Missão de vida do participante.

A “Jornada pela Roda das casas” é um caminho de autoconhecimento, cura e aprimoramento pessoal através das casas astrológicas do próprio mapa natal.

A Jornada organiza o estudo de cada casa em sintonia ao trânsito do Sol pelo signo correspondente. Por exemplo, agora até 20 de abril, que o Sol transita o signo de Áries, o foco das vivências será a casa 1, quando o Sol transitar pelo signo de Touro, o foco das vivências será a casa 2.

A Jornada também tem em conta no processo de aprimoramento e cura do participante as sugestões da fase da estação em curso. Por exemplo, agora até 20 de abril, se aprende com as sugestões da natureza para o começo do outono – a arte da interiorização, a delicia do encontro protegido consigo mesmo, o mapeamento dos “falsos eus -folhas que caem”, a conexão na força através da proatividade, etc.

No momento as vivências estão acontecendo em São Paulo, em maio se inicia em Curitiba (Paraná) e  em junho se inicia em Novo Hamburgo (Rio Grande do Sul), os interessados cliquem neste link.

 

A “Roda das casas” organiza os assuntos principais da vida em 12 setores arquetípicos inspirados no conteúdo dos signos zodiacais associados a elas, de tal maneira que o aluno consiga perceber como está vivendo seus “assuntos”, e quais as “potencialidades astrológicas” com que pode contar para melhor realizar seus sonhos, propósitos, metas que compõem a sua “Missão de vida”.

O Curso “Jornada pela Roda das casas” usa as “casas astrológicas” do mapa natal como um percurso de autoconhecimento sintonizado ao transito do Sol pelos signos zodiacais e as fases da natureza.

Ao entrar no curso o aluno é levado a definir seus propósitos, metas, sonhos para cada uma das 12 casas, afinados a sua missão de vida. Desta maneira, o estudo de como se está vivendo os “assuntos de cada casa”, assim como o conhecimento das “riquezas celestiais (planetas e signos)” que se dispõe em cada casa, permite ao aluno, “desenhar um projeto de autoconhecimento, aprimoramento, cura e realização” de sua Missão de vida com excelência, sucesso e satisfação.

Como resultado deste estudo o aluno estará em condições de iniciar sua “interpretação da situação astrológica em que se encontra cada casa” focando seu caminho autoconhecimento, cura e aprimoramento pessoal. O conhecimento dos significados das riquezas celestiais que ganhou (planetas e signos) na casa em estudo revelarão ao colega as ferramentas que dispõe para viver os assuntos das casas da forma mais adequada, eficiente e positiva.

No final do curso o aluno terá elaborado o “Documento de interpretação de seu mapa natal”, casa por casa, que lhe servirá de guia e material de estudo para toda sua vida.

O aluno inscrito recebe o material de estudo no dia da entrada do Sol no signo  correspondente a casa em estudo (por exemplo, no estudo da casa 2 recebe o material de estudo no dia 19 ou 20 de abril), e na data combinada tem o encontro presencial com Hector Othon com duração de 12 horas num fim de semana por mês. Neste encontro o aluno terá a oportunidade de trabalhar coletivamente os conteúdos da casa em estudo.

3

Propósito de vida e Missão de vida

Exercício: Antes de começar a leitura deste texto experimente fazer uma primeira definição de tua “Missão de vida”. Este texto poderá ser elaborado com anotações livres de teus propósitos, metas, sonhos…

Missão de vida

“Toda pessoa está destinada ao sucesso, a prosperidade, a plenitude… Tudo dependerá dela encontrar sua Missão de vida”

Entende-se por “Missão pessoal” a razão de ser da pessoa, a atividade que organiza a sua personalidade, que reúne o propósito ou propósitos de vida, sonhos, metas pessoais em seu projeto de realização.

Toda pessoa tem potencialidade de realização máxima se conscientizar o que ela tem de original, único, diferente – revelado pelo seu mapa natal. O desafio é encontrar a atividade específica que ela tem que desenvolver, preencher as exigências de talentos e dons que se requerem, com disposição se aprimorar, adquirir os conhecimentos, desenvolver habilidades e competências e no fim com arte e virtude realizar o que tenha a ser feito.

Quando a pessoa realiza sua Missão de vida naturalmente se preenche de força, poder, saúde e se ela souber adequar o “produto”, o “resultado” de sua missão, às necessidades de seu público de tal maneira que ele fique satisfeito e recomende a todos os seus próximos, então naturalmente acontecerá o reconhecimento, e se atingirá o sucesso.

Pergunte-se:

O que eu faço é minha missão? Eu gosto do que faço?  Meu trabalho me entusiasma? Eu uso meus talentos, habilidades, competências em meu trabalho? Meus valores são coerentes com meu trabalho? Quais os desdobramentos sociais e ambientais do meu trabalho? 

O que me dá satisfação? Quais meus objetivos, metas, propósitos? Qual minha missão de vida?

Responda estas perguntas, reflita sobre sua missão de vida e elabore um texto inicial que vai servir de ponto de partida para os seguintes exercícios e sugestões.

7

Alicerces da Missão pessoal

Amar o que tiver que fazer

A primeira dica de identificação da Missão de vida é amar o que tiver que fazer. Aquilo que se faça tem que dar muito prazer, tesão, disposição, a tal ponto que se não colocar limites você poderá se passa todo o tempo fazendo.
Ser muito bom no que tiver que fazer

Outra dica importante é você ser muito bom no que tiver que fazer. A missão deverá se apoiar em seus talentos, dons pessoais aprimorados em aptidões e competências… O primeiro passo é você prestar atenção se você tem dom para realizar tua missão… Observe se já no teu passado você não se destacou em algo que tenha a ver com o que você vai fazer na tua missão. Observe se as pessoas não elogiam a sua competência nas atividades que envolvem tua missão.
As pessoas, o mundo precisam do que tua missão vai produzir

Quais os resultados, os produtos da tua missão? Tem certeza que os resultados serão positivos, que colaborarás com o bem-estar e a felicidade de teu público? Qual a necessidade social cósmica que inspira a tua missão?

Outra dica importantíssima é pesquisar se o resultado da tua missão corresponde a algo que o mundo ou as pessoas necessitam ou desejam muito. É fundamental que a tua missão tenha um acolhimento caloroso no seu público alvo.


Conhecer muito bem, ser íntimo do público que usufruirá de tua missão

Qual o teu público alvo? Quem usufruirá dos resultados, produtos, desdobramentos da tua missão?

Outra dica é conhecer muito bem teu público, acompanhar quais os desdobramentos de tua missão e estar sempre ligado que o que importa é que teu público esteja satisfeito, que colabores com o bem-estar e a felicidade das pessoas envolvidas.


Ser reconhecido, homenageado, pago pela qualidade do resultado do que vai fazer

Para finalizar estude se como resultado de você realizar tua missão pessoal você será reconhecido, homenageado, pago… a missão de vida deverá ser autossustentável, autogestiva, e proativa.

Quando a pessoa realiza sua missão de vida se preenche de força, poder, saúde e se ela souber adequar sua participação as necessidades de seu público de tal maneira que ela colabore com a felicidade e bem-estar das pessoas, então naturalmente acontecerá o reconhecimento, e se atingirá o sucesso.

Primeiro enunciado da Missão de vida

Exercício: Faça o enunciado da missão uma declaração concisa de teus propósitos e responsabilidades com as pessoas que usufruirão dos resultados de tua missão. Os propósitos incluem sonhos, desejos, metas. A realização da missão deverá presentear com muito prazer, satisfação, incitando disposição sem limites.

À medida que o curso rola a missão pessoal, os propósitos, sonhos, metas poderão se modificar se afinando mais a potência diferenciada da pessoa.

A ideia é que o estudo de cada casa presenteie com os conhecimentos e informações de si que permitam a transformação pessoal a favor do aprimoramento e cura pessoal, que facilitem a realização do que se quer e da missão pessoal.

 

9

Como encontrar tua missão de vida a partir do teu mapa natal?

O conhecimento de como estás vivendo os assuntos das “casas astrológicas”, junto ao conhecimento das “ferramentas e potencialidades astrológicas” de cada casa, pode colaborar com o teu aprimoramento tanto para ganhar em clareza sobre tua Missão de vida, assim como para aprimorar habilidades, aptidões, competências pessoais, adquirir conhecimentos e tecnologias que vão te permitir realizar a tua Missão de vida de forma prazerosa, eficiente e vitoriosa.


O estudo astrológico de cada casa presenteia com conhecimentos e informações de si preciosos para a realização feliz da Missão:

  • o signo da cúspide revela o “eu do signo que se manifestará nos assuntos da casa” que define o modo, o jeito da pessoa agir e se comportar;
  • os planetas regentes da casa vão falar das forças planetárias presentes que podem indicar potencialidades, dons, habilidades, faculdades diferenciadas da pessoa e informam também as casas e signos envolvidos com os assuntos da casa;
  • os planetas presentes na casa e os planetas em aspecto à cúspide da casa vão falar de outras possíveis faculdades da personalidade, dons, habilidades, informam também do tipo de pessoas, e situações que poderão estar vinculadas aos assuntos da casa.

Para poder identificar tuas potencialidades astrológicas no teu mapa natal é condição que você domine os assuntos de cada casa e que tenha consciência de como estás vivendo estes assuntos.

Veja a seguir como pode organizar teu estudo da tua vida e a identificação da tua Missão de vida a partir do estudo das casas astrológicas em teu mapa natal.

18Jornada pela roda das casas e Missão de vida

Veja a seguir como o propósito pode ser processado, aprimorado, fundamentado e posteriormente realizado, tendo em conta a Jornada pela Roda das casas em teu mapa natal:

O propósito ou propósitos deverão ser definidos no encontro consigo mesmo (casa 1) e tendo em conta os sinais, a intuição, e o sentir da casa 12. É condição também que a missão de vida esteja sustentada por valores e princípios sólidos, que se apoie nos recursos e talentos que a pessoa dispõe (casa 2), que se adquiram os conhecimentos e informações de ponta que fundamentam o propósito (casa 3 e casa 9), que seja coerente com a visão de mundo da pessoa (casa 9).

Para que o processo de amadurecimento e realização do propósito aconteça deverá se definir as rotinas (casa 6) de estudo e trabalho. Definir rotinas também para o plano de gestão de recursos, e o plano de aprimoramento dos talentos que virarão habilidades que por sua vez estruturarão as competências.

Neste momento se estará em condições de definir as competências que serão usadas na profissão, trabalho, participação social coerente com o propósito (casa 10). Definir parcerias (casa 7) e grupos de afinidade, interesse (casa 11) que podem se somar ao projeto de ação social do propósito de vida. É na casa 11 onde o propósito ou a missão pessoal ganha seu projeto final. Nas casas do elemento água, criar condições emocionais e de cuidado para dar contenção ao propósito (casas 4, 8 e 12).

A cada casa que se estude o aluno poderá ir amadurecendo o que deverá ter em conta na casa em estudo para facilitar sua missão de vida e para desenvolver as habilidades, aptidões, competências necessárias para realizar ela.

À medida que o curso rola a missão de vida, os propósitos, sonhos, metas poderão se modificar se afinando mais a potência diferenciada da pessoa.

A ideia é que o estudo de cada casa presenteie com os conhecimentos e informações de si que permitam a transformação pessoal a favor do aprimoramento e cura pessoal, que facilitem a realização do que se quer e da missão pessoal.

11198446_883825258323403_540080756_n

Jornada pela Casa 1 – Sol em Áries – Início do Outono

Os triunfos a serem alcançados na Jornada pela Casa 1:

  • definir o ritual e a rotina de encontro consigo mesmo (auto-observação, meditação, estudo de si);
  • meditar: sensação, observação do mundo emocional, mental, energético;
  • definir os objetivos, metas, propósitos alinhados a missão de vida;
  • experimentar ter claro a cada dia os propósitos que se quer realizar;
  • perceber a  sua diferença, originalidade;
  • perceber “falsos eus”;
  • perceber “falsos propósitos ou propósitos obsoletos”;
  • perceber desde a perspectiva da casa 1 como se está vivendo os assuntos de cada casa;
  • se aceitar;
  • Processamento final – detectar o negativo, o reativo, as ameaças; detectar o positivo, o proativo, as oportunidades; aprimorar, curar; estabelecer estrategias e projetos para realizar propósitos e missão de vida.

O desafio é a pessoa manter-se em contato consigo mesma, se auto-observar a todo o momento, e agir em coerência com o que quer, pensa e sente.

Casa 1 e Missão de vida

Aquilo que te dá energia, disposição, entusiasma, que te carrega, que te encanta… Que quando faz, flui… é o que de melhor podes oferecer (casa 1) a tua missão de vida.

Liste as atividades que você realiza com satisfação, alegria, tesão… Se visualize realizando e sinta se tua alma se preenche de felicidade suprema.

Das atividades listadas quais ficam gravitando na tua mente e suscitando ideias criativas e projetos? Vai namorando elas até ficarem as que mais te mobilizam e motivam.

O que você faria, se conseguisse não se importar com o que as pessoas pensam de você ou esperam de você?

Refletindo sobre os assuntos da casa 1 e a missão de vida

Automatismo ligado em satisfazer expectativas

Os assuntos da Casa 1 são muito difíceis de serem vividos com consciência e plenitude. No curso da Roda das casas, a casa 1 é a casa que os alunos tem mais dificuldade de desenvolverem suas pesquisas. Ainda que reconheçam seu espaço e seus assuntos, no dia a dia dedicam muito pouco tempo e atenção a eles. E assim, em geral, se vive num estado automático, desenvolvendo tarefas obrigatórias para a sobrevivência cotidiana a contragosto sem conseguir identificar direito o que se quer, se necessita, o jeito pessoal que se gostaria de viver e realizar tarefas.

Propósitos pessoais, missão de vida

Um triunfo a ser alcançado no estudo da Casa 1 é definir os propósitos de vida afinados a missão pessoal.

O aluno deverá se esmerar na luz do encontro consigo mesmo em definir suas metas, objetivos, propósitos, que amadurecidos poderão formar um primeiro desenho da missão pessoal. Durante a Jornada o aluno poderá ir processando e amadurecendo a missão pessoal, poderá acontecer de mudar, no fim da Jornada a missão poderá ser outra totalmente diferente da imaginada no inicio.

O propósito ou propósitos, os sonhos, as metas, a missão pessoal deverão ser redefinidos a cada encontro consigo mesmo, em busca de maior autenticidade. A pessoa com carinho, tempo e paciência poderá se visualizar realizando a missão pessoal, sentir como se sente, imaginar os resultados e desdobramentos sociais.

A missão pessoal descoberta deverá provocar entusiasmo, disposição e uma vontade visceral de realizar. Enquanto estas sensações não se apresentarem se terá que continuar pesquisando.

Sensação – corpo físico – corpo emocional – corpo energético

A maioria das pessoas mal trata seu corpo físico a todo o momento, com posturas inadequadas, roupas, sapatos agressivos, comidas que são verdadeiros venenos, e assim tratam também seu lado emocional, mental, energético.  Poucas pessoas estão conectadas com seus corpos físico, emocional e energético. Poucas pessoas observam como se sentem, o que necessitam, reconhecem seus desejo, isto devido a estarem focadas em  corresponder as expectativas que se tem deles. Ainda quando a pessoa está sozinha não entra em contato consigo mesma, mas passa todo o tempo ou fazendo as tarefas do dia a dia, ou fica pensando, sentindo no que viveu nos seus relacionamentos, pensando no que o outro falou, reflete e tenta entender o outro, mas não a si mesma.

É interessante observar como as pessoas em geral têm dificuldades em entrar em contato. É como se existisse uma proibição interior que impede a pessoa entrar em contato consigo mesma.  Mas logo que a pessoa descobre seu mundo pessoal, logo que acorda para bênção que é estar em contato consigo mesma, se auto-observar a todo o momento, mais nunca para.

O mestre Gurdjieff aconselhava toda noite antes de se dormir, visualizar tudo o que se fez desde que se levantou até a hora do exercício.

A casa 1 é o espaço onde só a própria pessoa tem acesso, onde ela entra em contato consigo mesma, onde ela pode refletir na sua vida, observar o que está sentindo, o que quer, como está vivendo, onde pode visitar o seu passado, contemplar o presente e vislumbrar o futuro.

O espaço da casa 1 está disponível ainda a pessoa esteja se relacionando com outra, ou esteja executando uma atividade. A todo o momento a pessoa pode entrar em contato consigo mesma, identificar como se encontra, refletir, tomar decisões a partir do que esteja pensando, sentindo.

A casa 1 e os elementos

A parte Terra da casa 1 é o corpo físico e a sensação de se ocupar um lugar que só a pessoa pertence (dois corpos não ocupam o mesmo lugar). A parte água é o acesso ao chamado mundo emocional pessoal. A parte ar é o acesso ao plano mental pessoal. A parte fogo, é a percepção do ardor da vida e a energia pessoal.

A casa 1 é do elemento fogo, a pessoa quando foca o setor da casa 1 é levada a entrar em contato com o que está querendo fazer (fogo) e assim em vez de aprofundar na visão interior, se lança a fazer aquilo que está a flor da pele.

Quiçá por isso, seja tão desafiador entrar em contato com as tantas coisas que a casa 1 pode oferecer. Ao ter como natureza o fogo convida a pessoa estar presente e fazer aquilo que quer, e estar presente para ela é avaliar se está correspondendo as expectativas que se tem dela, o que consome toda a sua atenção, tempo e energia. O desafio é estar presente e ao mesmo tempo se sentir, dialogar com as diferentes dimensões de seu ser.

O desafio da casa 1 é conquistar a bênção da consciência de individualidade, de identidade, de liberdade pessoal, ainda sabendo o quanto se é integrado a outras pessoas, ao meio, aos grupos que se sente afinidade.

A primeira Tarefa : Conhecer-se a si mesmo

Jiddu Krishnamurti

“Sem conhecer-se a si mesmo, a acumulação de ideias, a aceitação de crenças e teorias não têm base. Sem conhecer-se a si mesmo, você sempre será pego na incerteza, dependendo do humor, das circunstâncias. Sem entender-se a si mesmo corretamente, você não pode pensar corretamente. Com certeza isto é óbvio. Se eu não sei quais são os meus motivos, minhas intenções, meu ‘background’, meus pensamentos-sentimentos particulares, como é que posso concordar ou discordar de outra pessoa? Como posso avaliar ou estabelecer minha relação com outra pessoa? Como posso descobrir qualquer coisa da vida se não conheço a mim mesmo? E conhecer a mim mesmo é uma tarefa enorme, que requer auto-observação constante, uma vigilância meditativa. Esta é nossa primeira tarefa, mesmo antes do problema da guerra e da paz, dos conflitos econômicos e sociais, da morte e da imortalidade. Estas questões vão surgir, elas hão de surgir, mas na descoberta de nós mesmos, no entendimento de nós mesmos, estas questões serão respondidas corretamente. Assim, aqueles que são realmente sérios nestas questões devem começar por eles mesmos, a fim de entender o mundo do qual são uma parte. Sem entender-se a si mesmo você não pode entender o todo.”

Bênção da casa 1

Quanto mais consciente for de teu jeito pessoal de ser, sentir, pensar e agir, quanto mais conhecer tuas necessidades e teus desejos, quanto mais rápido distinguir teus pontos fortes e teus pontos fracos, quanto mais rápido com arte e sabedoria encarar tuas verdades, quanto mais rápido reconhecer as ameaças e as driblar, quanto mais rápido definir teus propósitos, metas e missão pessoal, mais rápido encontrarás teu caminho de realização pessoal, sucesso e prosperidade.

Jornada pela Casa 2 – Sol em Touro – Meio do outono

Triunfos a serem alcançados na Jornada pela Casa 2:

  • definir os valores e princípios que sustentam os propósitos, metas, sonhos, a missão de vida;
  • perceber talentos, dons que podem se transformar em habilidades, competências a serem usadas na missão de vida;
  • conscientizar os recursos materiais e espirituais que se dispõe para realizar a missão de vida;
  • mapear as “crenças” – as “crenças positivas e as “crenças limitantes, obsoletas”;
  • perceber o que se possui, a relação com o que se possui;
  • adotar uma postura consciente e sensível com o que se possui;
  • possuir aquilo que facilita a missão de vida;
  • processamento final – detectar o negativo, o reativo, as ameaças; detectar o positivo, o proativo, as oportunidades; aprimorar, curar; estabelecer estrategias e projetos para realizar propósitos e missão de vida.
  • exercício da presença. O poder do agora;
  • o poder da voz.

desafio é a desidentificação e o desapego – a pessoa conseguir possuir, tomar posse com desapego e desidentificação.

Perguntas facilitadoras:

  • Se já tivesse o dinheiro que precisa, ainda assim que profissão gostaria de realizar?
  • O que pode fazer para que a tua Missão de vida te retribua com o dinheiro e recursos que você deseja?
  • Quais valores e princípios dão alicerce a tua missão de vida?

A casa 2 do é do elemento Terra, do modo fixo e da primeira dimensão assim como o signo de Touro.

Refletindo sobre os assuntos da casa 2 e a Missão de vida

Valores e princípios

É condição também que a missão pessoal esteja sustentada por valores e princípios sólidos. Na prática comprovei como é importante a definição clara dos princípios e valores em que se apoia uma determinada atividade.

Os valores e princípios orientam as ações e decisões, em momentos decisivos se não se tem os valores claros poderá se agir com inconsequência no ardor dos desafios. Por exemplo, são princípios para mim na construção deste curso: “a não violência”, a “integridade”, o “respeito ao outro”, a “verdade”, a “regência do belo”, a “generosidade”, a “solidariedade”, a “escuta humilde”…

Os valores assuntos da casa 2 se destacam como alicerces da Missão pessoal

Os Valores, princípios, crenças servem de guia, critério, para adotar  comportamentos, atitudes, tomar decisões alinhadas a Missão e na direção da Visão no exercício das responsabilidades e na busca dos objetivos e metas traçados.

Os valores:

– definem e facilitam a participação da pessoa no desenvolvimento da Missão na direção da Visão;
– definem e facilitam a articulação da Missão, Visão;
– facilitam a colaboração e participação das pessoas envolvidas e do público alvo.

O enunciado de cada valor deve ser curto, claro, preciso. Os valores depois de estabelecidos são inegociáveis.

Os valores assumidos definem as regras do jogo, em termos de comportamentos e atitudes, devendo conter um subconjunto das respostas às perguntas abaixo:

– Como a pessoa se deverá comportar?
– Como a pessoa se relaciona com as pessoas envolvidas?
– Como as pessoas deverão se relacionar com a pessoa?
– Como a pessoa estabelece acordos?
– Qual a responsabilidade da pessoa frente a sua missão?

Os valores:

– Definem as regras básicas que norteiam os comportamentos e atitudes da pessoa.
– São as regras do jogo para que, executando a Missão, se alcance a Visão.
– São o suporte, o estofo moral e ético da pessoa.

Recursos, talentos, dons

Ainda em relação à casa 2 é importante distinguir os recursos materiais, os talentosdons pessoais que a pessoa dispõe para realizar a missão. Segundo as características da missão, os talentos e dons deverão ser desenvolvidos em habilidades e competências que estejam a altura.

É auspicioso a pessoa levantar os valores, princípios, os talentos, dons específicos para cada propósito, meta, sonho.

Sensações, sentidos

A casa 2 facilita a percepção do corpo através das sensações e dos sentidos, especialmente a sensação de prazer relacionada ao planeta Vênus que a rege.

Ancoramento

A casa 2 é o portal para o ancoramento do espírito, da alma no corpo, portal para o aqui e agora no poder da presença.

Posse

A casa 2 pertencem também os objetos que se identificam como pessoais e que se tem propriedade. É tão estreita e legalizada esta relação com os objetos pessoais que existem leis que garantem a propriedade sempre que possa ser demonstrado. As pessoas possuem roupas, joias, ferramentas, meios de transporte, casas, terrenos, prédios, etc. Cada pessoa possui o que consegue segundo as regras da sociedade a que pertença.

A “propriedade privada” é o fundamento da sociedade moderna. Observe que o conceito de como as pessoas deverão se relacionar com as propriedades é muito claramente explicitado nos regulamentos e nas leis, a tal ponto que quem pega algo que não é seu, leva punição.

O outro dia assisti uma entrevista a um ladrão. Acompanhe o diálogo:

Ladrão: eu não roubo, eu só pego o que é meu.

Entrevistador: Mas a sociedade é regida por leis, e existem as leis que protegem a propriedade privada.

Ladrão: A sociedade tem suas leis aprovadas por quem manda nela… aqui na rua regem outras leis aprovadas por quem manda na rua. Tudo é meu, nosso, de quem for mais forte, mais preparado para lutar e vencer.

Cada pessoa tem seu critério do que é propriedade, cada pessoa possui e toma conta de seu espaço de um jeito particular. Cada pessoa se comporta também de forma diferenciada diante a perda.

A casa 2 é o alicerce da pessoa, e em dependência de como ela esteja iluminada, e harmonizada assim será a sua vida.

Perda

As emoções ligadas a posse fazem uma dupla com as emoções ligadas a perda, que às vezes golpeiam de um jeito a alma que nocauteiam.

Acontece com algumas pessoas quererem coisas que nunca irão ter. Outras querem, conseguem e não querem mais. Ao parecer aquilo que se queria e estava em determinada pessoa ou situação, de repente ao ter a pessoa ou viver a situação aquilo que tanto se queria, desaparece e aparece em outra pessoa, lugar ou situação.

Acontece também a pessoa ter por um tempo e depois perder, ai o sentimento da falta pode castigar.

O sofrimento castiga quando a pessoa se apega, quando gostou e possuiu e não quer mais soltar. E como sabemos logo na adolescência nesta vida todo começa e acaba, e o pior o momento de finalização na maioria das situações não é previsível, o fim sempre pode ser a qualquer momento.

É por isso que os mestres aconselham a sempre tomar a morte como companheira, como aliada, o que convida a se viver intensamente a cada momento.

Terapia, autoconhecimento e posse

É auspicioso cada um estudar-se em relação a como age diante a posse, o apego. É muito bom também pesquisar como se lida com perdas. Para muitos, o medo de perder, ou não ter pode ter desdobramentos negativos que podem ser evitados se a pessoa investir em autoconhecimento e cura.

Objetos pessoais

É auspicioso a pessoa também estudar como ela se relaciona com o que possui. Observe se você tem muitos mais objetos que o que necessita. Observe como você se relaciona com cada objeto que possui… Os objetos são como as pessoas gostam estar na roda, gostam de serem usados. Já sonhei com umas roupas me falando que queriam que as desse de presente. Elas falavam: “já estamos ficando velhas e ainda nem fomos usadas, me libera ou me usa, queremos viver” Quando acordei dei muita risada, mas leve a serio o sonho e até hoje encaminho a roupa e os objetos que não uso.

Nada melhor que estar sempre ligeiro de equipagem, com o estritamente necessário. Menos preocupação, se chama menos o roubo, porque um objeto que seja realmente necessário é muito difícil que seja roubado, primeiro, porque sempre se protege.

Ciúme

O ciúme é uma doença, um mecanismo negativo que deve se investir na sua cura logo que ataca… simplesmente porque ela provoca exatamente o que se quer evitar a traição, o abandono.

O ciúme está ligado a experiências negativas passadas, a herança da família, a falta de autoestima, a dificuldade de aceitar o fim, a algum circuito de comportamento programado de forma inconsciente.

Se o amado estiver feliz com outra pessoa se morre de ciúme!!! Ainda sabendo que não dá para estar mais com ele, que a magia do amor e do desejo acabou, é difícil largar o ser amado. O coerente seria se o encanto e o tesão acabar. liberar o amado, e até ficar feliz, no caso do amado encontrar outra pessoa que seja mais adequada a ela, que tenha a ver mais com ela, que a faça mais feliz, ainda que isto implique a perder. Como se se ama, não se suporta que o ser amado esteja feliz com outra pessoa, que esteja amando a alguém que corresponda ao que ela deseja, quer, necessita?

Pois é, existem alguns mecanismos, circuitos de comportamento que tem em si funcionamentos sabotadores, o ciúme é um deles. Se cair nesta armadilha via sofrer e fazer sofrer. O interessante é você driblar este circuito sabotador com mais amor, conseguindo liberar ao parceiro que não deu certo, desejando para ele o melhor. Desta maneira você está liberando o astral para acontecer  com você também o melhor.

No caso de se sentir ciúme é auspicioso primeiro meditar nele, o observar até o conhecer,.. detectar o que o está provocando,.. e amadurecido no que se está sentindo ter jeito e arte para compartilhar com a pessoa que inspira o ciúme… escutar a pessoa até detectar que atos dela estão provocando o ciúme e na conversa amorosa experimentar chegar a um acordo, se não chegarem a um acordo humildemente pedirem o assessoramento de alguém competente para isso. Mas não é conveniente conviver com o ciúme porque ele vai deteriorando o relacionamento e pode o levar, ao que se teme, a seu fim.

Cuidar do que se tem, do que se possui

Outro aprendizado importante da casa 2 é cuidar do que se tem, valorizar o que se tem e usar e preservar do melhor jeito possível.

Tem pessoas que não valorizam o que tem. A pessoa tem uma casa, quintal, jardim potencialmente maravilhosos, mas não faz nada e deixa o tempo e os outros seres tomar conta. Compra roupas de qualidade mas não as sabe cuidar, lavar, guardar. Tem carro, bicicleta mas os usa até romperem e depois abandona… e assim com tudo o que possui. Com certeza sua qualidade de vida deverá ser baixa e poucas pessoas se sentirão motivadas ao visitar ou a compartilhar o que ele tem.

Para ser próspero é fundamental estar ligado ao que se possui, conhecer o que se possui e saber conservar, manter, usar do melhor jeito possível tanto para uso próprio como para uso dos outros.

O mesmo acontece com uma relação afetiva ou familiar, aqueles que a pessoa sente que são seus no sentido de precisar deles, de querer deles uma atenção especial deverá saber cuidar, estar atento em se manter também uteis para eles. Ter coisas ou fazer ações que a pessoa de que se está interessada em manter perto fique interessada.

Quem não sabe cuidar os relacionamentos afetivos que tem os pode perder ou viver aquela insatisfação por ambos lados.

Aquele que sabe cuidar, manter, usar seus relacionamentos estará sempre rodeado de pessoas agradecidas que retribuem também com cuidados e generosidades.

Dinheiro

A casa 2 inclui o adorado dinheiro. Ela vai informar o modo que a pessoa se relaciona com dinheiro.

Tem pessoas que lidam muito bem com dinheiro e posses tem outras que não. O dinheiro e as posses têm suas próprias leis. A pessoa ganha dinheiro e posses em função do valor das coisas ou ações que ele oferece ao mundo, as pessoas. Pode se ganhar dinheiro e posses também por herança ou por patrocínio de pessoas e instituições para quem a pessoa é importante.

O dinheiro e as posses são chaves que abrem muitas portas neste mundo, que facilitam a realização de projetos e os relacionamentos em geral, por isso, as pessoas gostam tanto de dinheiro e às vezes cometem loucuras para o ter.

É um grande desafio a pessoa saber a quantidade de dinheiro e posses que vão trazer felicidade para sua vida, o que é realmente necessário para ela. De outro jeito a pessoa pode perder sua vida tentando ganhar um dinheiro que não precisa, ou ainda pior um dinheiro e posses que não correspondem a suas potencialidades e necessidades.

O Buda é mestre e patrono desta casa, ensinando que no caminho da virtude e da paz é fundamental ser despojado e desprendido e para harmonizar com a sociedade e o jogo da vida o melhor caminho é o do meio.

Para viver com tranquilidade e paz neste mundo capitalista é auspicioso saber ter o mínimo necessário que garanta as necessidades essenciais para evitar a ostentação que tanto mal atrai: roubo, inveja, violência. No caso de se ter muito a pessoa terá que saber proteger o que possui, a troca de viver sempre preocupada com a possibilidade certa de ser roubada.

Muitas pessoas se perdem na relação com posses e dinheiro, sendo dominadas e consumidas pelas experiências que eles provocam.

É auspicioso refletir sobre o jeito que você se relaciona com posses e dinheiro e agir a favor da atitude sábia que traga paz e tranquilidade para sua vida.

Incerteza – lei da atração

A sabedoria da incerteza

Texto de Deepark Chopra editado por Hector Othon

A vida é incerta, impossível de prever, e é lei, a qualquer momento pode mudar e criar situações não esperadas, e o pior não desejadas.

A aceitação da incerteza é sábio. Ainda sabendo o que se quer é auspicioso ter disponibilidade para o desconhecido. A incerteza liberta da ditadura do conhecido e do passado. O normal é quando se gosta de algo, querer possuir, repetir, eternizar. Só que esta atitude automática pode impedir a pessoa manter um relacionamento vivo, ligado à realidade, porque aquilo que se quer e projeta não necessariamente é o que é. Muitas pessoas ficam bravas quando o seu parceiro muda, quando a situação de vida muda e cobram do outro que seja do jeito que se gostou, só que desse jeito o mais provável é que diminua a probabilidade de novamente acontecer.

O desconhecido é a real forma de se apresentar a realidade. A vida pode presentear com novas experiências abençoadas que nem sequer poderiam ser imaginadas. A disponibilidade para o desconhecido abre a mente e o coração para a Inteligência do Universo sintonizada na projeção do que se deseja e assim o desejado acontece ou não segundo a Lei da Atração e os caprichos das circunstâncias.

Aprofundar na arte do desapego e da desidentificação do que se deseja e das expectativas de resultados, colabora com sua concretização. Insistir no apego pode destruir o já conquistado.

Facilita visualizar a realização do desejado, facilita viver a satisfação da relação com o desejado e na mesma intensidade, obstaculiza o apego, castigam as expectativas de resultados, perturba a identificação.

Só se desfruta da realização do que se deseja com desapego do desejado, das ações que se faz para facilitar acontecer e das expectativas de resultados. O êxtase abençoa quando as necessidades e os desejos correspondem ao que a vida oferece com naturalidade.

O automático e mais comum é se apegar ao que propicia bem estar e prazer. Mas o prazer e o bem vivido é resultado de todo um conjunto sincrônico de forças e circunstâncias, que não podem ser reduzidos a um objeto, pessoa ou ação.

Enquanto existir apego e identificação existirá tensão, o que não deixa fluir a vida na sintonia fina da regência da Inteligência do Universo.

Observe a atitude inteligente não é reprimir ou diminuir o ardor das necessidades e dos desejos, mas estar aberto a novas maneiras de satisfazê-los.

No presente sempre encontrará aquilo que necessita, aquilo que projetou para acontecer, agradeça e desfrute. Se estiver desejando algo novo, o sinta com ardor, visualize, projete, sem por isso estar presente desfrutando de seu agora.

Custa descobrir que o que está presente naturalmente é aquilo que harmoniza, satisfaz, preenche a totalidade do ser.

A gratidão para o que acontece abre as portas para aquilo que se projeta e deseja. A vida está em constante movimento, fluência. Às vezes, a realidade adota formas fascinantes, viva-las e deixe-las fluir. Esta atitude propicia encontros progressivos de mais satisfação e prazer.

Se você parar o movimento, se apegando ao já vivido, a força viva que concretiza o que se deseja se tensiona, trazendo dor e sofrimento.

O apego se alimenta do medo de não ter de novo o vivido, da insegurança em perder. O medo, a insegurança, assim como todos os sentimentos negativos tem a única função de alertar quando se está frente a uma situação que não se controla, que não se conhece  ou que no passado provocou dor, eles dão o toque preventivo sobre possíveis perigos. Agradeça, tenha em conta o que o medo adverte e vai em frente. Uma situação alarmada por um medo de congelar a alma, pode estar baseado numa experiência passada já superada. Coisas que antes eram perigosas agora não são mais. Mas no caso de na atualidade continuar sendo perigoso, é só se aprimorar e preparar o melhor possível e enfrentar.

O dialogo com o medo, o transforma em um aliado. Aprendendo com ele, se ganha a visão. O medo apoia-se na memória e na experiência pessoal. A negatividade sustenta-se então na memória, no passado computadorizado. Ela cria conceitos, símbolos, e propõe estruturar a vida a partir de seus palpites paranoicos onde tudo é previsto, o mapa negativo da vida.

Esta projeção de segurança é artificial e está condenada a tensão crescente até o estraçalhamento pelas forças da vida.

A vida como repetição de modelos seguros do passado, a busca de segurança e certeza a partir do que deu certo no passado é uma ilusão, porque a vida recria a cada momento novas circunstâncias.

A disponibilidade para acolher o desconhecido acorda a criatividade diante o novo que se apresenta, a excitação de não saber o resultado, a aventura de viver o mistério. A vida se mostra generosa para aquele que está aberto para que guie a inteligência do Universo.

Na disponibilidade para aceitar a incerteza, mas firme e claro do que se deseja e necessita, as soluções emergem espontaneamente logo que aparecem os desafios, as provas a confusão, a desordem, o caos. Quanto mais incertas forem as coisas, mais seguro deverá se sentir, porque a incerteza é o caminho da liberdade. Através da aceitação da incerteza como aliada encontrará segurança.

Dê a si próprio, aos outros e as coisas a liberdade de ser o que são. Evite a imposição rígida de suas ideias sobre como as coisas devem ser. Não force soluções de problemas, criando assim novos problemas.

Quando você se apega a uma ideia pronta, o seu desejo, antes fluido e flexível, fica congelado numa estrutura rígida que interfere em todo o processo de articulação da inteligência universal. Imediatamente que você confunde seu desejo com o objeto o situação que o está satisfazendo, está criando uma situação energética contra a satisfação do seu desejo ou intento.

A prontidão para o presente, a vontade clara, no campo da incerteza lhe permite identificar e aproveitar as oportunidades.

Não force soluções. Se você forçar a solução de problemas, só vai criar novos problemas. Mas, se dirige sua atenção para a incerteza e observa-la enquanto espera a solução emergir do caos e da confusão, o que aparecerá será fabuloso e excitante. Quando a prontidão encontra a oportunidade, a solução surge espontaneamente.

Se te apegas a pessoas ou situações que não fluem com naturalidade para você, estará interferindo no destino delas e sairás do caminho das pessoas ou das situações destinadas para tua vida.

O adorador da excelência, do belo, do simples, do justo, do sábio, da virtude se entrega a condução amorosa e sabia do Tao.

Encosto – ajuda

Tem pessoa que não consegue estruturar seus recursos, suas posses, seu dinheiro na medida em que precisa e se acomoda em usar o de seus próximos. Tipo usar a internet de um amigo, familiar; pedir emprestado o carro; comer, dormir, usar as comodidades do lar de amigos e familiares… As vezes, a pessoa faz isto e na sua cabeça ela pensa compensar fazendo algo que considera importante para as pessoas que ajudam. Mas a prática demostra que esta via enfraquece a pessoa, porque toda “ajuda” no fundo é cobrada.

A “ajuda” pode ser aceita tendo em conta não ultrapassar os limites e o tempo apropriado. A ajuda deverá ser usada para rapidamente a pessoa se estruturar e se tornar independente.

Se você visita um amigo para desfrutar a sua companhia é diferente de você visitar um amigo porque precisa usar a internet dele e aí aproveita e visita também ou porque quer aproveitar algo da casa de seu amigo, e ao mesmo tempo o visita. Quando você transforma num costume aproveitar dos recursos e bens dos próximos você está invadindo e pode contaminar a relação com este astral negativo. Aquilo que você gosta que pertence aos outros o ideal é que você procure possuir ou no mínimo negociar como você pode usufruir do que precisa ou gosta sem interferir na vida dos donos.

Roubar

É provado que quando se rouba se é roubado. Neste mundo existem leis que regulam a propriedade privada. E quando estas leis são transgredidas a pessoa poderá sofrer o castigo da lei. Mas ainda a pessoa possa escapar da lei, existem também as leis cósmicas como a Lei da Atração que regulam o que acontece com a pessoa. Assim quando uma pessoa rouba ela atrairá para se também o roubo e será roubada.

Bênçãos da casa 2:

  • Produzir o dinheiro que se precisa
  • Possuir o que se precisa com desapego

Jornada pela Casa 3 – Sol em Gêmeos- Fim do outono

Triunfos a serem alcançados na Jornada pela casa 3:

  • perceber o que se precisa aprender – informações e conhecimentos que facilitam a relação com o ambiente imediato;
  • perceber como respira;
  • perceber se se está no estado permanente de aprendiz;
  • iluminar relacionamentos com irmãos, parentes próximos, vizinhos;
  • iluminar o relacionamento com a vizinhança;
  • perceber seu jeito de se expressar e comunicar. Observar se você consegue expressar o que deseja;
  • processamento final – detectar o negativo, o reativo, as ameaças; detectar o positivo, o proativo, as oportunidades; aprimorar, curar; estabelecer estrategias e projetos para realizar propósitos e missão de vida.
  • observar sua relação com os meios de comunicação e os transportes pessoais ou públicos.

desafio é identificar os limites da mente, saber usar a mente de forma adequada.

Perguntas facilitadoras:

  • Quais os assuntos que você mais procura informação? Quais as atividades que te atraem e quando você vai ver já está averiguando sobre ela? Que atividades desenvolvem teus heróis? Sobre que temas você fala mais com teus escolhidos? Sobre que temas você tem mais conhecimento e ao mesmo tempo tem o maior prazer em falar, argumentar, escutar?
    •O que você precisa aprender para facilitar tua Missão de vida?
    •Teus irmãos, parentes, vizinhos como se relacionam com tua missão de vida?

Com humildade determine o que precisa aprender para ter o entendimento, as informações e as competências mentais que exigem a missão e que possam servir de ponte a estudos mais elaborados, profundos, abstratos (casa 9) requeridos pela missão.

Logo aprendemos que esta vida é regida por ordens, leis, hierarquias, procedimentos, processos. A pessoa percebe que para viver com mais qualidade ela deverá aprender, se informar, conhecer como as coisas funcionam, onde se encontram, identificar as leis e os mecanismos, as ordens e conseguir se adequar a eles encontrando seu jeito pessoal de relação com as pessoas e o ambiente.

A pessoa se apropria de linguagens e informações e aprende a se expressar, comunicar, trocar. Neste estágio a pessoa aprende também a se relacionar com irmãos, vizinhos, parentes próximos com quem têm que conviver cotidianamente e dividir aquilo que tem.

A arte de aprender

É muito importante nesta fase a pessoa saber o que aprender, ter sensibilidade de aprender aquilo que serve de base para desenvolver seus talentos, dons, sua futura profissão. Aprender o que precisa para viver seu dia a dia com liberdade.

Aprender linguagens, línguas, informações, conhecimentos, técnicas que possam ser úteis a outros.

É importante saber onde é melhor aprender, distinguir a quem deve perguntar, a quem deve escutar, de que fonte beber.

Experiência de troca, de aprendizagem

terceiro grande desafio ou prova que a pessoa tem que enfrentar na Roda da Vida é perceber o que é bom ela aprender, e qual o melhor jeito de se expressar, comunicar para poder viver como quer e produzir o que necessita.

Para trocar se tem que ter algo. Aí se depende como a pessoa se saiu da fase anterior. Se ela tem coisas úteis, em bom estado, prontas para serem usadas por outras pessoas, ela será querida e solicitada para a troca.

A troca pode ser tanto de objetos como de informações, conhecimentos, afeto, cuidados, atenções, ou todo isto junto.

O desafio desta casa é encontrar o melhor jeito de aprender, de se informar, entrar em contato. A Casa 3 informa do astral que reina nos estudos básicos, os primeiros estudos.

As Riquezas Celestiais na Casa 3 informam modo, o jeito de se aprender com mais facilidade e as forças planetárias com que se pode contar para aprender, averiguar, se informar, se expressar, comunicar, trocar.

Por exemplo, uma pessoa com Peixes na cúspide da Casa 3 aprende mais através da arte, de caminhos onde se valorize a sensibilidade, outra com a cúspide da Casa 3 em Gêmeos aprende através da troca de informação, valoriza mais o estilo mental.

Mente objetiva

A casa 3 informa como funciona a mente objetiva da pessoa, quer dizer a parte da mente que processa a relação da pessoa com seu ambiente imediato e soluciona os desafios do cotidiano.

É a parte da mente que facilita a expressão e comunicação nas atividades do dia a dia.

A mente objetiva serve para processar as informações básicas para viver no dia a dia. O raciocínio lógico básico da análise, a síntese, a dedução, a indução que iluminam o dia a dia são funções do dia a dia.

É muito importante a pessoa usar sua mente de forma prática, e aprender a dar o lugar apropriado a cada uma de suas funções.

Expressão e comunicação

A casa 3 dá dicas importantes de como a pessoa desenvolve sua Expressão e Comunicação pessoal e como pode se aprimorar para ganhar em fluidez, verdade, clareza, eficácia.

É vital a pessoa checar se ela consegue expressar com clareza, com beleza, checar se está conseguindo se comunicar, se as pessoas entendem o que ela quer expressar e se ela entende o que as pessoas querem comunicar.

É importante a pessoa aprender a administrar suas emoções e sentimentos de tal maneira que enriqueçam sua comunicação, e nunca a prejudicar.

Irmãos

A relação com os irmãos de sangue é uma grande oportunidade de se aprender a compartilhar.

O seu irmão nasceu do mesmo lugar que você, no entanto é um espirito encarnado diferente, é o outro que tem a mesma origem. Ele também esteve na mesma situação que você, de dependência do amor e da atenção de seus pais quando bebês, crianças e adolescentes.

Você teve que dividir com seu irmão ou sua irmã a possível oportunidade de satisfazer suas necessidades, desejos e interesses. Esta é uma situação evidente de competição, de conflito que só se resolve no desenvolvimento da capacidade de diálogo, de comunicação, de negociação, de tolerância, de paciência, de receptividade, de compaixão e de amor.

Em dependência de como se aprende a lidar com irmãos é que se lida quando adulto, com seus companheiros de vida.

Invista na iluminação da sua relação com seus irmãos ou parentes de criação. Medite e ilumine os possíveis conflitos.

Vizinhos

A casa 3 contempla também aos vizinhos do lugar onde se mora, se trabalha. Tenho comprovado na prática que isto é uma verdade acompanhando o que acontece com trânsitos a planetas na casa 3.

Parentes

A casa 3 também mexe com os assuntos que envolvem a parentes próximos, que convivem com você com certa frequência.

Passeios, pequenas viagens

A casa 3 informa também como a pessoa se descontrai, passeia, faz pequenas viagens. O propósito destas pequenas viagens é a pessoa se situar, se informar, ao mesmo tempo que cria oportunidade para a pessoa trocar, conversar, aprender.

Meios de transporte e comunicação

A Casa 3 informa também das características dos meios de transporte e comunicação da pessoa. Na prática tenho comprovado que esta afirmação funciona.

Como é tua relação com teus meios de comunicação tipo celular, notebook, etc?

Como é tua relação com os meios de transporte?

Jornada pela Casa 4 – Sol em Caranguejo- Início do inverno

Triunfos a serem alcançados na Jornada pela casa 4:

  • paz interior;
  • experimentar o pertencer;
  • relacionamento feliz com os familiares;
  • construção de um lar protegido e acolhedor;
  • relacionamento feliz com os antepassados, com a origem, com a cultura
  • relação com o país de origem, com o país que acolhe;
  • processamento final – detectar o negativo, o reativo, as ameaças; detectar o positivo, o proativo, as oportunidades; aprimorar, curar; estabelecer estrategias e projetos para realizar propósitos e missão de vida.
  • relação com a cultura de origem.

desafio é se libertar do amor imaturo, da síndrome de se sentir indigno de ser amado, e aprender a se libertar dos desdobramentos negativos do ódio primal.

Perguntas facilitadoras:

  • Quando você era criança o que pensava que ia ser quando grande?
    •O que teus familiares sentem que é tua missão de vida?
    •O que teus familiares querem para tua vida?
    •Como teus familiares avaliam tua escolha de missão de vida?

A qualidade do relacionamento com a família, com o lar, com o mundo emocional interior (casa 4) é fundamental para encontrar apoio e forças afetivas que sustentem os desafios e provações da missão pessoal. A qualidade do relacionamento com os familiares influencia de forma decisiva em tudo o que a pessoa faz.

No caso de existirem conflitos entre a Missão pessoal e as expectativas dos familiares deverão ser trabalhadas até serem iluminadas.

Nas casas 4, 8 e 12 se criam as condições de acolhimento emocional que a missão exige para a pessoa poder dar conta dos desafios e provações da missão pessoal. Os vínculos afetivos na família (casa 4), nas relações comprometidas e profundas (casa 8)

e na relação com todos, o astral, o plano espiritual (casa 12) sustentam e estimulam a pessoa a dar o melhor de si.

É bênção iluminar os assuntos da casa 4 que tem a ver com o mundo emocional pessoal e a família, onde a pessoa aprende a se relacionar com sua mãe, pai, irmãos e os familiares. Nesta casa a pessoa também aprende a se relacionar com a sua cultura de origem, com seu país. A quarta casa também inclui a relação com os antepassados.

A casa 4 oferece a pessoa a experiência de pertencer.

Na família em princípio a pessoa encontra as pessoas que estão programadas nos seus inconscientes através da cultura e costume social para receber, acolher ao ser humano quando encarna.

Começa que para se encarnar neste mundo tem que ser na magia do nascimento através da mulher, logo depois de o homem e a mulher fazerem sexo e misturarem o ovulo e o espermatozoide.

Cada pessoa ao nascer neste mundo o fara através de uma determinada família, que pode estar estruturada das mais diversas formas.

A família acolhe ao bebê indefeso. O alimenta e o inicia em sua cultura e costumes até a pessoa ficar pronta para viver no mundo.

O relacionamento com a família que se tem para cada um é de um jeito particular, dependendo de seu mapa natal, das circunstâncias e do que se trai de outras vidas.

Por isso os mestres aconselham a investir na qualidade do relacionamento com os familiares, até conseguir conquistar um bom relacionamento com cada um deles, especialmente a mãe, o pai, os irmãos.

A seguir do relacionamento com a família vem o relacionamento com as diferentes comunidades a que se pertence, até chegar ao pais, ao planeta.

O pertencer tem suas bênçãos, mas também tem seus deveres e responsabilidades… O saber pertencer deixa forte, e pronto para que a pessoa consiga criar seu próprio lar e família.

A casa 4 finaliza o plano pessoal.

“Liberte-se da Historia Pessoal e do Passado”
Logo que a pessoa cresce e se torna adulta é convidada a criar seu próprio lar e sua nova família. Para isto, ela terá que ter disponibilidade para se libertar do que a prende ao jeito e costumes da família de origem. Isto não porque seja ruim dar continuidade de onde se vem, mas porque cada um tem um jeito pessoal de viver que é importante ser percebido e fomentado. O lar e família de origem sempre deverá ser reverenciado e homenageado, e com certeza se herdará muita coisa deles, mas é importante que cada um tenha discernimento para perceber o que de novo terá que identificar e fomentar na construção de seu novo lar e família tendo em canta o seu jeito de ser e o jeito de ser de seu parceiro e dos filhos que vão chegando.

A melhor maneira de libertar-se da história pessoal e do passado é aprendendo o que ela tem a te ensinar. Tenha em conta o que aprendeu com o passado, mas mantenha aberta a possibilidade de viver o presente com abertura e disposição de receber o novo que palpita em tudo.

Conquistando a harmonia com a família e o passado

Nestes tempos, todos serão mexidos emocionalmente, ao ponto de poder perder as estribeiras. Se ainda não aconteceu com você, esteja esperto, porque pode acontecer… Se estiver transbordando de excitação lembre que pode optar pela paz e canalizar a energia na direção que melhor quiser… Experimente.

Imagine a felicidade que é estar em Paz com a família. É bênção poder se relacionar com pais, filhos, irmãos, parceria, livre de mágoas, cobranças, culpas e sofrimentos. É possível!

Se vivenciar a paz, o amor e a harmonia com a tua família conseguirá em qualquer nova comunidade a que pertencer. Um bom indicador da evolução pessoal é a qualidade do relacionamento com a família.

Trate os membros da família com respeito, humildade, atenção, responsabilidade, carinho e gratidão. Diante uma dificuldade, mude dentro. Acredite no diálogo e na força de cura do amor e o carinho!

É difícil, por não dizer impossível mudar os outros, mas pode-se mudar a atitude com que se vive o que molesta dos outros. Opte pela paz e o amor. Existe sempre a possibilidade de adotar uma atitude que lide com positividade com o que nos desafia. Com suavidade e graça coloque o que está sentindo.

O outro

“…Olhe-se no espelho da alma, curta as paisagens do seu ser interior e seus caminhos molhados de vida. Trate de ser o mais honesto possível ao colocar  tuas emoções. Privilegie-se como espectador de si próprio. Lembre-se que o outro, quando está sendo personagem da tua excitação emocional é reencontro de muita vida já vivida, encontro consigo mesmo… Se você não resistir e te lançar ao contato com o outro, a partir da imagem do que tem dele, viverá a queda que separa o sonho da realidade… O encontro com o outro é o encontro de “Multidões” e a alma, como a água, permeia tudo. Além de tudo o que sentir e pensar do outro, faça questão de se desidentificar do que pensa do outro e se abrir para o escutar, o sentir a cada encontro…”

Procure o lado positivo ao se desiludir com as expectativas que projeta no outro.

Descubra o prazer que existe em se encontrar com outro ser humano, tal como ele é – com certeza, diferente de você e do que você pensa, sente dele… Quanto mais profundo o amor, mais claramente serão reveladas as diferenças… Esta constatação, ao invés de separar, une…

Emoções

“…Em cena, atue. Não julgue suas personagens, viva-as. Permita-se viver a emoção de suas personagens… Atue com arte e sempre garantindo que pode parar quando quiser… A dor transmuta-se em fluxo criativo, o lamento em canto e a perturbação em compreensão. Assim da para continuar indeterminadamente: confiando, experimentando, avançando, revelando, ancorando, amando…”

Atue o melhor possível no palco de sua vida. Adore cada uma das suas emoções; elas são o mais rico tesouro que, como fruta, a sua alma lhe oferece.

As emoções tem sua inteligência, sua sabedoria, por isso, ainda a razão tenha também sua sabedoria, nunca deverão intervir no caminho apontado pelas emoções. A pessoa terá que ter discernimento para saber escutar seus pensamentos e suas emoções e ir decidindo a quem escutar.

É muito importante a pessoa saber deixar fluir suas emoções e aprender a administrá-las de forma positiva.

Emoções negativas

“Beba suas emoções em copo de Cristal Sagrado…”.

Disponha-se a se autoconhecer e a mudar onde a Alegria se ausentar…

As emoções negativas: amargura, ressentimento, mágoas, raiva, ódio, rejeição, revolta, avareza, vingança, inveja, ciúme, etc., e os estados emocionais negativos: depressão, ansiedade, paranoia, histeria, etc., são sinais de algo vivido no passado que ainda não foi iluminado, processado, liberado.

As emoções negativas, assim como as positivas, devem ser estudadas, observadas, para descobrir a relação delas com os estímulos que as provocam. O objetivo é conhecer a própria programação emocional. Isto permite atualizar o arquivo de memória, que é o ponto de referência ao qual a emoção recorre para se manifestar.

A consciência do estado da vida emocional é importante para o equilíbrio do ser. Perceba como está o coração. É muito importante conseguir acompanhar a evolução cotidiana da emoção. Pergunte-se a si mesmo, a cada certo tempo, como se está sentindo e adote atitudes positivas para propiciar-se o que desejar.

Se não der ouvido à emoção, ela conseguirá sabotar o que estiver fazendo e reinará na negatividade. Quando se iluminam as emoções negativas, evitam-se muitos desencontros e sofrimentos na vida. Acredite que você tem poder suficiente para optar sempre pelo amor e a paz.

Culpa nos pais. Programação emocional infantil.

É importante assinalar a ideia errada de querer culpar aos pais e as circunstâncias pela dor e as fragilidades emocionais que nos castigam.

Ao encarnar, ganhamos potencialidades, dons e habilidades e também desafios a serem enfrentados. Não existem culpados pela dor. A vida transcorre na alternância da Luz e da Sombra: isto é a Realidade.

Todo pai ou mãe quer o melhor para seu filho, se não o consegue é porque não o pode.

Liberte-se do costume de culpar os outros pela dor e desilusões: ninguém é culpado, e todos são culpados. O que resta é assumir o comando da vida e se tratar com dignidade.

Enquanto não desmonte o circuito da emoção negativa, o Presente é apenas o gatilho que deflagra as mágoas antigas, no intuito de resolvê-las.

Averígue o que significa “programação emocional infantil negativa” “síndrome do amor negativo, de se sentir indigno de ser amado” “círculos viciosos do amor imaturo” e busque um caminho terapêutico para se livrar da negatividade.

Reproduzem-se os traços negativos de comportamento assimilados na infância, a partir do sistema familiar e cultural, por imitação ou rebeldia – assim como as dificuldades no jeito de amar. Se não se reeducar, levará estas negatividades para seus relacionamentos presentes e futuros.

Cura emocional

Os passos comuns nas técnicas da cura emocional que conheço são os seguintes:

  • Identificar a emoção negativa, as crenças limitantes. Observar o que as provoca;
  • Encontrar no passado o momento da origem e, no presente, onde se manifesta;
  • Reconstruir e vivenciar a situação no plano da imaginação – ou da psicodramatização – e se permitir o fluxo das emoções. Aprender e refazer a relação com a experiência traumática o cena temida;
  • Liberar a vontade de vingar-se, de xingar, de agredir, de maldizer, de chorar, de bater, descarregando através de procedimentos terapêuticos, xamânicos ou religiosos;
  • Reciclagem da negatividade em positividade. Evite o falar pessimista e dramático, a reclamação, as cobranças, os julgamentos. Reconstrua as frases, as sentenças e as admoestações de forma positiva;
  • Perdoe-se por suas falhas;
  • Perdoe àqueles que se envolveram na sua negatividade;
  • Assimile o Perdão concedido;
  • Peça perdão por ações ressentidas e vingativas nesta vida e em outras vidas, suas ou de seus familiares;
  • Perceber onde se é reativo e virar proativo;
  • Potencializar a proatividade amorosa;
  • Realize a integração amorosa do seu corpo, seu ser mental esclarecido, seu ser emocional amadurecido e seu ser espiritual sábio e feliz.

Opte pela paz e o amor

Saiba que sempre pode optar entre a paz e a guerra, entre a confiança e o medo entre o aprendizado e a culpa, entre o ódio e o amor.

Cada experiência provoca por natureza as duplas dialéticas se apresentando segundo os caprichos da impermanência e das circunstâncias cabe a pessoa alimentar a qualidade ou a emoção que deseja potencializar.

É impossível não sentir medo, raiva, vontade de guerrear, o sábio é aprender com estes sentimentos o que tem a ensinar e sempre optar pela paz e o amor, porque é através deles que os caminhos anelados se abrem.

Observe as crenças e costumes que o conduzem à negatividade e desmonte os mecanismos que o prendem a ela. Seja humilde e moderado, esteja disponível ao diálogo, seja amável e diplomático e será abençoado com a paz e o amor.

Se você não estiver satisfeito com seu presente e com sua vida, busque um jeito de mudá-lo. Só você pode produzir sua vida, na direção do seu desejo. Observe o que o prende, o que se resiste às mudanças que quer e decida a atitude a ser tomada em sintonia ao seu desejo.

Jornada pela Casa 5 – Sol em Leão- Meio do inverno

Triunfos a serem alcançados na Jornada pela casa 5:

  • conseguir se expressar publicamente;
  • criar como se deseja;
  • iluminar relação com os filhos;
  • encontrar prazer na vida;
  • aprender a se divertir;
  • ser generoso;
  • processamento final – detectar o negativo, o reativo, as ameaças; detectar o positivo, o proativo, as oportunidades; aprimorar, curar; estabelecer estrategias e projetos para realizar propósitos e missão de vida.

desafio é a pessoa não se perder nas ilusões do ego ou se perder desmedidamente na busca de prazer, jogo, divertimento.
Perguntas facilitadoras:

  • Como teu poder de expressão e comunicação pode colaborar com tua Missão de vida?
  • Como conciliar o tempo e responsabilidades que os filhos exigem com tua Missão de vida?
  • O que é que te dá muito prazer, satisfação, disposição fazer?
  • O que você faz que você se considera bom, talentoso? O que você faz que os outros gostam?

A quinta iniciação apresenta o mundo exterior à pessoa e a pessoa ao mundo exterior, é conhecida como a “saída da toca”. A casa 5 informa que ferramentas a pessoa dispõe para contracenar com a vida e mostrar ao mundo o que ela é e a que ela veio.

Até agora a pessoa já configurou o seu mundo pessoal: identifica a sua individualidade e originalidade (casa 1), sabe possuir, cuidar, manter, melhorar suas posses e recursos (casa 2), sabe usar sua mente objetiva, se relacionar com seus irmãos e próximos (casa 3), está consciente da família e lugar social a que pertence, sabe lidar com suas emoções (casa 4), está pronta para ser iniciada no mundo exterior ao mundo pessoal.

A casa 5, casa do elemento fogo correspondente ao signo de Leão e regida pelo Sol inaugura o que pode se chamar do mundo exterior.

Ela é experimentada com mais consciência quando a pessoa entra na adolescência e descobre que existem outros adolescentes, seus iguais que por sua vez tem suas qualidades e formas de ser diferenciadas, tem seus recursos, seus conhecimentos e suas famílias diferentes a dele.

Só na hora da exposição que se cria quando sai na rua, quando vai na escola é que ela vai descobrir seu eu corresponde a sua casa 5. É importante que os pais e tutores do adolescente estejam atento a esta fase e se disporem a conhecer também a nova personalidade que se apresentará em seu adolescente que pode surpreender até eles pelas suas particularidades.

Lembre-se que em cada casa se manifesta um eu diferenciado.

Neste estágio floresce o poder criativo, o uso dos dons e talentos para a pessoa desenrolar a performance que é esperada dela e para realizar o que ela sente vontade do melhor jeito possível.

A casa 5 também ensina como a pessoa se diverte, tem prazer.

A casa 5 ensina a pessoa a se unir a outras para ter prazer, para criar, para fazer acontecer por isso ela é abençoada com o ardor do amor e do afeto e abençoa com as qualidades do signo de Leão.

A casa 5 é a saída da toca pessoal. E oferece informações de como se realizar as funções na personalidade associadas ao Sol natal: criação, doação, irradiação… Nela se experimenta o magnetismo pessoal, os dons e habilidades e o poder criativo.

A casa 5 informa como a pessoa vai expressar seus talentos, habilidades, aptidões, competências, como a pessoa cria, como a pessoa usa seu poder pessoal… estas sugestões deverão se ter em conta para adequar seu jeito pessoal as exigências da missão pessoal.

A casa 5 tem a ver com os filhos, assim a quantidade de filhos, o tempo que se deve dedicar aos filhos, as obrigações que implicam os filhos deverão se ter em conta nas exigências de disponibilidade da missão pessoal.

Criação

“Entregue-se a criação com paixão e gosto… Existe a Natureza exterior que deve ser louvada, apreciada e desfrutada, mas existe também a Natureza interior riquíssima em vibração, inspiração e sabedoria. Aquilo que palpita em você gostaria de se manifestar e realizar. Assim, é muito bom investir em seus dons e habilidades de criação. Permita-se gerar, brilhar, vitalizar, entusiasmar, potencializar.

Criar traz felicidade e alegria de viver. Você recebeu o dom da criação. Sinta a sua potência, cultive-la e encontre os caminhos onde ela se realiza com plenitude e seja autêntico sendo consequente com tua verdade. Quando a pessoa mente é falsa em busca de aceitação criam-se relacionamentos inconsistentes fardados ao fracasso. Seja autêntico, canalize seus dons e habilidades com verdade, visceralidade!

O dom de criar se descobre na prática, cada um tem a possibilidade de se permitir criar, de desenvolver seu dom para criar. No desenvolvimento desta habilidade desenrolam um papel importante os pais, professores e as pessoas próximas a criança e o adolescente.

A maioria dos adultos não explora na sua potência máxima seu dom de criador, a situação astrológica da casa 5 pode colaborar para a pessoa conhecer as ferramentas celestiais que pode potencializar, se apropriar para criar.

Magnetismo

“Cada pessoa tem seu charme, seu magnetismo pessoal, seja quem for cada pessoa veio a este mundo para brilhar, o desafio é encontrar o caminho… O jeito de encontrar o caminho é seguindo a voz do coração… e só experimentando para saber…”

Esteja atento para não substituir a falta de autenticidade, de amor por si, as frustrações e decepções consigo mesmo, pelo sexo, pelas drogas, pela gula, pelos vícios, pelos excessos de trabalho, de esportes, de atividades, pelas práticas religiosas compulsivas, pela idolatria a gurus ou pelo isolamento paranoico.

Ter sucesso na vida, ser aceito e louvado em geral não é fácil. A pessoa terá que aprender a lidar com decepções, frustrações, críticas, inveja… Uma prova da casa 5 é a pessoa aprender a desenvolver seus dons e talentos, saber ensaiar, se aprimorar até sentir segurança para se apresentar em público e conquistar a resposta das pessoas que deseja.

Cultive seu magnetismo pessoal, escute seu desejo, permita que teu Sol interior irradie com generosidade. Alimente a sua energia vital, sendo fiel a tua vontade.

Esteja presente, permita-se a criatividade espontânea sabendo aprender a cada momento de experiência com os ecos de seus atos, afinando, melhorando, aprimorando até chegar na atuação que deseja. Identifique as coincidências que orientam teu devir e te entregue a ele. Descubra teu caminho de coração.

Decida triunfar. Não espere as oportunidades, vai ao encontro delasNão fuja das ameaças, aprenda como diminuir os seus efeitos. Veja cada desafio como a oportunidade de encontrar uma solução e um aprendizado. Viva teu presente como una nova oportunidade de ser feliz. Tenha coragem para se libertar do que impede teu brilho pessoal e a realização de teu melhor…

Prazer

“Tem pessoas que veem o prazer como uma miragem. Como aquela historia da cenoura pendurada na frente do burro que nunca é alcançada. Visualizam metas e quando as realizam, continuam avançando e inventando outras metas que também não as tornam felizes. Vivem esperando o dia em que alcançarão algo que as deixem felizes, mas esse dia nunca chega… O melhor momento para ser feliz é agora…”

Para sentir a satisfação de estar vivo e prazer a pessoa antes tem que se aceitar tal qual é, sabendo que sempre poderá perceber faltas, erros, negatividades.

O prazer por viver é construído todos os dias. Não é algo que se conquista fora, ou que acontecerá no amanhã, ele está dentro e se realiza no presente.

Desenvolva e valorize o prazer que propicia o simples fato de viver e estar presente e acompanhado de objetos e seres maravilhosos. Valorize tudo o que satisfaça. Propicie-se o máximo de satisfação que conseguir.

Os desafios do passado ou as ameaças do futuro, reais e inevitáveis não são motivos para não viver a felicidade ou o prazer que se oferece no presente. Se o presente está satisfatório, desfrute-o, porque do futuro ninguém sabe e o passado já foi.

Experimente descobrir o prazer de fatos cotidianos como caminhar, comer, tomar banho…

O tempo que se vive com prazer e satisfação reconforta muito mais que o descanso ou o sono. Logo, não perca as oportunidades de se divertir, ter prazer e satisfação. Encontre a cada instante um motivo para agradecer e sorrir.

Vocação

Toda pessoa é a melhor em algo neste mundo. Por isto é muito importante a pessoa desenvolver a auto-observação diária para perceber no que ela se destaca e seus próximos a reconhecem como a melhor.

Faça questão de se auto-observar e detectar em que te destacas – aquilo que as pessoas elogiam e pedem para você fazer. Detecta aquilo que te realiza com facilidade e que as pessoas reconhecem como qualidade tua. Determine que atividade produtiva pudesse ser mantida com o exercício de teus dons e habilidades. Conheça e desenvolva teus dons e talentos. Encontre tua vocação e crie oportunidades de realização, tendo em conta os ambientes em que te sentes acolhido.

Identifique tuas necessidades e valores essenciais. Observe se eles estão satisfeitos, nutridos e cuidados. Identifique também tuas habilidades e dons pessoais e observe se eles são usados no teu trabalho, na vida. Desenvolva tuas habilidades e dons pessoais que tenham a ver com a satisfação de tuas necessidades e valores pessoais.

Filhos

Na sociedade atual filho é responsabilidade total dos pais e da família. Não deveria ser assim, já que as pessoas veem neste mundo não só para colaborar com a família, mas, sobretudo para viver suas vidas e destinos que muitas vezes nem incluem a família.

Mas se tem que reconhecer que pela forma que se nasce neste mundo os pais e os familiares de sangue tem um papel especial na criação e no auxilio a pessoa até ela se tornar independente. Esta é quiçá uma das provas mais delicadas da casa 5. Por isso a pessoa humildemente terá que fazer seu máximo e quando tiver dúvidas deverá recorrer a cura, ao aprimoramento para sempre dar o seu melhor na criação e relacionamento com filhos.

Os filhos são sagrados. Diante os filhos humildade total e disposição de servir com o melhor que se tenha.

Comande, oriente, eduque, instrua sempre respeitando a natureza diferente de cada filho. Esteja sempre disposto ao diálogo e aprender.

Seja humilde, honesto, flexível, receptivo, presente. Esforce-se para crescer junto. Assuma com disciplina, continuidade e entusiasmo as responsabilidades de ser pai ou mãe, na luz espiritual e na inteligência emocional.

No caso de você não estar conseguindo cumprir o papel de pai ou mãe, faça questão de celebrar suas conquistas.

Lembre-se de que assim como somos filhos, somos pais. Muitos carregam conflitos emocionais que dificultam o relacionamento saudável com seus filhos. No caso, não se martirize e peça ajuda, mas não de continuidade a uma atitude que você reconheça como negativa para seus filhos.

Criança interior

O primeiro filho de uma pessoa é a sua própria criança emocional. Você conhece, distingue, sente, escuta, fala, cuida, brinca, entende, acarinha, ama a tua criança emocional? Seja o teu próprio pai e mãe ideal. Tenha o máximo de amorosidade e responsabilidade possível com a sua criança interior.

Jornada pela Casa 6 – Sol em Virgem – Fim do inverno

Triunfos da casa 6:

  • definir as rotinas de acordo ao que se deseja e em concordância aos propósitos, metas e missão pessoal;
  • servir com desprendimento e amor;
  • criar um ambiente de trabalho e serviço aconchegante e saudável;
  • iluminar a relação com animais domésticos;
  • estabelecer rotinas de aprimoramento pessoal e cura;
  • iluminar hierarquia no trabalho  e no serviço;
  • conquistar uma alimentação saudável.
  • processamento final – detectar o negativo, o reativo, as ameaças; detectar o positivo, o proativo, as oportunidades; aprimorar, curar; estabelecer estrategias e projetos para realizar propósitos e missão de vida.

desafio é a pessoa cumprir com o que planifica, se autocoroar como curador de si mesmo.

A sexta iniciação ensina que é auspicioso servir, porque servindo a pessoa aprende como é este mundo, e em troca recebe reconhecimento, e se torna uma pessoa atrativa para relacionamentos de todos os tipos.

Neste estágio a pessoa aprende a se curar,.. aprende que na interação com o mundo pode enfermar e assim ela terá que aprender a comer aquilo que lhe faz bem e usar o corpo de um jeito que ele se fortifique e se mantenha saudável.

Na sétima iniciação aprendemos que podemos estabelecer relacionamentos comprometidos com outras pessoas que não vem da família, com quem se pode construir uma vida nova, e uma nova família. O mais comum é o casamento entre homem e mulher mais ou menos da mesma idade e interesses, mas a vida ensina que os casamentos e as parcerias comprometidas podem ser de muitos jeitos diferentes.

A casa 6 como o setor do conhecido, portal para a real

A Casa 6 nos joga na real, no ambiente do espaço que ocupamos. E sem conseguir pensar muito nos descobrimos participando do cotidiano fazendo tarefas, rotinas a maioria para facilitar o que acontece.

À Casa 6 está associada a tarefa de colaborar com a manutenção, preservação e facilitação da vida.

A Casa 6 inclui como vivemos o cotidiano na vida pessoal, no relacionamento, no trabalho, como realizamos as tarefas rotineiras, como encaramos os desafios, como servimos, participamos.

A Casa 6 é uma ponte para o fluxo real da vida em que nos encontramos onde temos que aprender a agir com despojamento e disposição de servir, de agradar, de colaborar com o bem-estar e a felicidade do outro, porque a troca deste serviço vamos receber atenção, reconhecimento, favores, riquezas, dinheiro.

Para que o processo de amadurecimento e realização da missão aconteça deverá se definir as rotinas (casa 6) de estudo e trabalho. Definir rotinas também para o plano de gestão de recursos, e o plano de aprimoramento dos talentos que virarão habilidades que por sua vez estruturarão as competências.

Neste momento se estará em condições de definir as competências que serão usadas na profissão, trabalho, participação social coerente com a forma que se quer participar socialmente (casa 10).

Prestar atenção no estabelecimento de rotinas como tratamos nosso corpo, lembrando que é nos maus hábitos repetidos que se criam doenças e dores.

Saúde

Nos assuntos da Casa 6 está também incluída a tarefa do autocuidado, da autocura.

A Casa 6 chama em nós a presença do curador, do servidor ao bem-estar e a felicidade do ambiente. E para ser bom curador temos que começar conosco.

Acontece também que maus costumes posturais, rítmicos, alimentares repetidos com abuso na vida cotidiana podem levar a doenças. E assim aquilo que pode nos abençoar, também pode nos machucar. Por isto é muito bom estudar o signo da cúspide da Casa 6 e os planetas que tem trono nela, para termos uma ideia das forças planetárias presentes e assim sabermos de partes do corpo, de tipo de atividades e assuntos envolvidos.

O seu corpo é seu Mestre, ele vai te ensinar o caminho da saúde. Desfrute da inteligência e da sabedoria do seu corpo. Observe, escute, namore seu corpo. Muito cuidado, excelência e delicias para seu corpo. Ele é seu templo, seu santuário, seu veículo. Ele tem gostos, necessidades, vontades. Ele tem muitas possibilidades, explore-as, experimente com generosidade. A consciência e o amor pelo corpo são o segredo do conforto, da paz, da fluência. Num corpo feliz a alma se espraia.

Seja mãe e pai de si mesmo, cuidando-se com excelência e carinho. Observe suas posturas, seu jeito de andar, a qualidade do que come e como come.

Aprenda a cuidar do nível da sua energia e de seu equilíbrio. No primeiro sinal de desarmonia tome medidas. A doença antes de chegar no corpo, manifesta-se na alma: na emoção, na mente, na vontade. Muitas pessoas acostumam-se aos sintomas e só agem quando a doença está insuportável. Se adoecer, descubra que atitudes o levaram a tal estado e mude-as.

Especial atenção com os estados depressivos nesse ano. Passando-se de três dias nesse estado, encontre um jeito de subir sua energia e auto estima, senão conseguir peça ajuda.

É aconselhável comer moderadamente e com qualidade. Não se deve comer tarde na noite e muito menos em grandes quantidades. Os distúrbios digestivos serão uma medida da sua tensão e dificuldade para lidar com sua vida.

A nossa saúde é reflexo do estado do nosso espírito. Pratique a prevenção. Você sabe o que lhe faz mal, evite então.

O corpo é muitas vezes vitima do desvario da emoção ou da tirania do intelecto. O corpo pode dar muitos toques importantes para a emoção e o intelecto.

A arte da vida está no equilíbrio e na beleza da relação entre os quatro elementos no nosso ser: intelecto (ar), emoção (água), corpo (terra) e espírito – vontade (fogo).

Seu corpo é seu templo, santa maravilha da forma e da beleza, adore-o.

Invista em planos de prevenção e manutenção da saúde: Exercícios, massagens, viagens, divertimento…

Animais domésticos

A casa 6 fala de como a pessoa se relaciona com animais domésticos.

A casa 6 forte é a casa do médico clínico, do veterinário, do analista de sistemas, do trabalhador esmerado, da ama de casa competente.

Jornada pela Casa 7 – Sol em Libra- Início do Primavera

Triunfos da casa 7:

  • encontrar o parceiro ou parceiros certos para os projetos que se quiser realizar em conjunto;
  • estabelecer os contratos, acordos necessários para a realização da missão de vida;
  • investir no bom relacionamento da missão de vida com o parceiro de vida;
  • conhecer o seu público e estar atento ao retorno dele em relação a forma em que está realizando tua missão de vida;
  • processamento final – detectar o negativo, o reativo, as ameaças; detectar o positivo, o proativo, as oportunidades; aprimorar, curar; estabelecer estrategias e projetos para realizar propósitos e missão de vida.

desafio é a pessoa se manter coerente consigo mesma, ainda aberta e generosa na relação.

Perguntas que podem facilitar: 

  • Como participam tuas associações e casamento na tua missão de vida?
  • A tua missão de vida está em sintonia com a ordem a lei vigente?
  • Como é tua relação com o público alvo de tua missão de vida?
  • O que teus parceiros sentem que você é bom, que você faz a diferença em relação a tua participação social?

A sétima prova é conseguir estabelecer relacionamentos comprometidos com companheirismo, beleza e harmonia…

A missão pode requerer estabelecer parcerias comprometidas e elaborar contratos de compromisso que descrevam com clareza e justiça as responsabilidades e direitos de cada participante.

A casa 7 também pode dar dicas das características do público que usufruirá da missão.

Parceiro

A casa 7 revela as expectativas que se podem ter do parceiro e as características ideais de parceiro.

O signo da cúspide da Casa 7 e os planetas que tem seu trono nela, informam de características ideais de parceiros e do que se espera do casamento ou parceria. Muitas vezes somos atraídos por pessoas cujos horóscopos têm uma grande ênfase no signo que está na cúspide da casa ou por pessoas com características fortes dos planetas que temos com trono na Casa 7.

Casamento. Parcerias:

  • As expectativas que se tem e o astral que rege no casamento e nas parcerias;
  • As potencialidades positivas e negativas que a pessoa tem no casamento ou nas parcerias.

Inimigos declarados

A casa 7 também nos fala das características de possíveis inimigos declarados. Um inimigo declarado não deixa de ser um parceiro. Muitos dizem que os melhores mestres para o aprimoramento pessoal, porque eles revelam os pontos mais fracos, que já podem ter provocado carma.

A casa 7 pode revelar também os motivos que podem levar a desentendimentos e a negatividades nos relacionamentos que podem levar a uma pessoa de parceiro a inimigo. Por exemplo, se a pessoa tiver Caranguejo na cúspide da casa 7 o motivo de briga pode ser devido a cuidados emocionais, a questões familiares, a mágoas, ressentimentos.

Para ver as características dos inimigos ocultos e iluminar os motivos que podem provocar inimizades estude o lado negativo das riquezas celestiais.

Contratos de relacionamento

Cada um deveria saber com clareza o que espera de seu parceiro de casamento e outras relações. Assim poderia evitar muitos desencontros e sofrimentos. A casa 7 mostra o que pode ser fundamental para uma pessoa nos seus relacionamentos.

Todas as relações contratuais e suas quebras passam por essa casa: casamentos, sociedades de negócios, mas também rivalidades entre sócios, processos judiciais e a clientela de alguém.

Justiça e ações judiciais, advogados, processos

A relação da pessoa com a justiça, advogados, juízes, contadores, etc é vista na casa 7.

Público

A casa 7 também fala do público da pessoa, o público que corresponde a aquilo que ela faz.

O signo da cúspide, e os planetas presentes na casa 7 vão informar as características do público ideal para o trabalho da pessoa.

A experiência do casamento é um dos mais desafiantes vínculos que podem ser vividos.

O mais comum na historia do ser humano é observar casamentos infelizes e desencontrados. Muitas vezes existindo amor e conveniência. Os mecanismos de sabotagem emocional transformam o que poderia ser um paraíso num inferno.

O casamento é a base da família

O casamento é uma passagem iniciática que vai falar muito do nível de desenvolvimento que a pessoa está consigo mesma. É por isso que se deve ser muito responsável e atento antes decidir casar.

O que recomenda a tradição é viver um tempo de namoro suficiente até que se sinta se se está pronto para assumir as responsabilidades e deveres associados ao casamento.

Questões básicas para sentir se estamos prontos para casar:

  • Amar o parceiro;
  • Gostar da pessoa. Gostar de estar junto. Gostar do cheiro, do toque;
  • Ter construído uma relação de mutua confiabilidade;
  • Respeitar e admirar o parceiro;
  • Se possível conhecer o passado do parceiro;
  • Observar se se está pronto para assumir as responsabilidades e deveres da construção de um novo lar;
  • Ser independente e dar conta das próprias necessidades e das dos seus dependentes.

Aconselhamentos:

Invista na capacidade de diálogo emocional para poder transcender os conflitos, provocados pelas transferências nas relações.

Se alguém não te amar do jeito que você gostaria, não significa que esse alguém não te ame. Existem pessoas que amam, mas não sabem demonstrar o seu amor ou as vezes tem uma forma diferente de amar. É um prazer e uma benção conseguir ver o outro além das tuas expectativas, realmente como ele é.

A melhor relação é aquela na qual teu amor pelo outro excede tua necessidade dele.

Saiba: quando se está querendo do outro mais do que ele está oferecendo, está se procurando, inconscientemente, viver rejeição e abandono.

Descubra quais são as qualidades do outro que você admira e integre-las a sua personalidade. Identifique que coisas o outro faz com você que você gosta, faça você mesmo.

O perdão é possível de ser praticado, quando existe uma compreensão responsável do erro cometido.

A origem das perturbações emocionais e da dor está em nós, o outro é só o estímulo, que acorda o nosso processo individual.

Busque em você os motivos do que te perturba no outro.

Seja humilde e receptivo aos pontos de vista do outro, tratando de entender o que mexe com você.

Seja fiel a si mesmo. Respeite teu direito à privacidade, à existência. Reconheça tuas verdades, teus desejos, teu jeito de ser, e com arte e amor aprenda a se relacionar sendo coerente e verdadeiro.

É muito importante você ter acesso à voz do teu interior, quando querendo satisfazer as expectativas dos outros, te transformas a ponto de não te reconhecer, perdes tua força e brilho pessoal. Resguarda-te da falsidade. Seja honesto.

casamento positivo é aquele que tem a força e a coragem de revelar as verdadeiras identidades dos parceiros e ainda assim continuar firme.

casamento negativo é aquele que se da às escondidas, que provoca dor a seus participantes e aos outros.

Faça questão de deixar diáfanos, transparentes os teus relacionamentos amorosos.

Quando a associação ou casamento está muito problemático deve-se trabalhar interiormente até escalar o nível de energia e consciência que dilua a perturbação.

No caso de compulsão por um amor falido, peça ajuda aos teus próximos, não perca tempo excessivo na perversão emocional, na atualidade existem caminhos de libertação. Fique atento que o ser perturbado encontra racionalização para tudo. O critério é interior, mas seja digno e não de força a processos masoquistas de autossabotagem.

Lembre-se que quando você insiste em alimentar relacionamentos perversos se distancia de teus verdadeiros encontros amorosos, o que é uma lástima para você e tua suposta parceria de alma. Libere o que não flui.

Acredite que você foi destinado à realização plena das tuas potencialidades amorosas.

Não é o outro que te abandona. É você que cria a situação de abandono. Você está querendo viver perversamente a situação de abandono, que tantas vezes já sofreu na sua vida. Isto é um fato, para todos.

Sempre que se está querendo além do que existe, se está sendo conduzido pelo inconsciente que busca reativar as feridas da falta de Amor Incondicional no passado, para liberar o ódio acumulado. Neste momento, o outro vai ser usado, para mais uma vez confirmar, que se não se dá amor a si mesmo, ninguém vai dar o suficiente.

Quando se está com raiva saiba processar com proteção, mas nunca se sinta no  direito de descarregar no outro suas emoções negativas, muito menos usando de crueldade e muito menos ainda usando a violência. Este é um mal costume que ainda se herda da família e da sociedade.

A melhor maneira de aumentar o amor que se recebe é agradecendo os gestos de amor e amando como se gostaria de ser amado.

Existe o papel neurótico do abandonador e o de abandonado, a atração por estes papéis pode ser um dos motivos perversos do relacionamento.

O outro não pode te livrar da situação de sofrimento, só você pode. A solução não está fora, está em você. Se você se sentir perturbado no relacionamento faça questão de investir na meditação ou nos teus processos de cura emocional.

Seja honesto no que você quer, sente e pensa. A questão não é a traição do outro, senão a própria traição. Trate de não se trair.

Paixão é a possibilidade de encontrar no outro aquilo que está em você. Saiba processar a paixão com carinho e proteção, única maneira de atrair o que tanto se quer, e estando presente comprovar se a tal “paixão” assinala o parceiro verdadeiro.

Não segure o que quer ir. Pratique amar com desapego, no caso de ser necessária uma separação, não segure, libere. O que é para você sempre será. Se você libera o que quer ir, vira coisa melhor.

No caso de você desistir de um relacionamento sem iluminar as causas da separação, estará só postergando o problema para a próxima relação.

Recolha as suas projeções nas outras pessoas. Desenvolva em você aquilo que você gosta nos outros. Se liberte daquilo que você não gosta nos outros.

Em caso de separação, faça um ritual claro da separação. Apreenda com os erros e tudo aquilo que lhe corresponde.

Jornada pela Casa 8 – Sol em Escorpião – Meio do Primavera

triunfo a ser alcançado no estudo da Casa 8 é aceitar a morte como conselheira.

Triunfos da casa 8:

  • identificar e aprender a administrar os apoios, recursos dos outros, os patrocínios para tua Missão pessoal;
  • lidar com sabedoria e adequação com as palpitações do inconsciente – aprender a ler os sinais do inconsciente através dos sonhos, das intuições, dos insight,…
  • encontrar o jeito de transformar os medos em aliados;
  • aprender a viver as mudanças profundas, as perdas, as crises com arte e sabedoria;
  • conscientizar o melhor jeito de viver o sexo e a intimidade;
  • processamento final – detectar o negativo, o reativo, as ameaças; detectar o positivo, o proativo, as oportunidades; aprimorar, curar; estabelecer estrategias e projetos para realizar propósitos e missão de vida.

desafio é a pessoa enfrentar o medo de morrer, de perder, da falta, de silenciar o ego para escutar o outro.

Perguntas que podem ajudar:

  • O que está na tua lista das coisas que gostaria de realizar antes de morrer?
  • O que você faz que te preenche completamente?
  • Como teus relacionamentos íntimos se relacionam com tua missão pessoal?
  • Quais teus maiores medos em relação a tua missão de vida?

Na oitava iniciação se aprende que para receber ao outro é auspicioso saber “morrer” – saber silenciar com acolhimento e empatia, para que o outro se sinta a vontade para se mostrar, se entregar, estabelecer relação emocional, energética profunda.

A casa 8 é o portal da morte, dos mistérios da vida, do oculto, a passagem do consciente com o inconsciente. E entre os mistérios mais visitados se encontra o encanto do sexo.

A casa 8 tem a ver com os relacionamentos íntimos da pessoa que com certeza levam muito de seu tempo e energia. É por isto que a pessoa terá que apresentar a sua missão a seus íntimos com muita Inteligência e sensibilidade para poder transforma-los em torcedores por sua missão.

Entender a teus íntimos, os escutar, sentir e perceber como estão se sentindo em relação ao tempo que te leva tua missão é fundamental para você chegar a um entendimento do melhor a ser feito.

A casa 8 também te informa os canais em que pode encontrar patrocínio, colaboração de outras pessoas, especialmente os íntimos.

A casa 8 também te informará de possíveis medos que terás que vencer, para poder ganhar em visão, poder.

Morte

Esta casa é conhecida também como a casa da Morte, porque é nela onde somos convidados a “morte do Egocentrismo, do egoísmo” para melhor poder receber ao outro, especialmente nas suas diferenças, e assim deixar nascer o “eu cooperativo” que sente e trata o parceiro como assim mesmo.

Muitos pensam que está casa tem a ver com a morte física da pessoa, mas na minha opinião quem fala sobre as características da morte física, são a Casa 1 (como a pessoa vai lidar com a morte) e a Casa 12 (qual o astral que rege a transição).

A Casa 8 tem a ver com o relacionamento profundo com o outro e com o ambiente. Simbolicamente para acolher ao outro, o ambiente com plenitude, em principio o Ego deve morrer, apaziguar.

Toda a carga trágica que tradicionalmente se tem depositado sobre esta casa é devido ao medo que temos de nos entregar a vínculos profundos com outro ser, que não sabemos aonde podem nos levar.

Morte não é o par dialético de vida, mas de nascimento. A vida é uma sucessão constante de mortes e renascimentos até um dia a Morte virar passagem para a vida fora do corpo.

Leve em conta que grandes amores envolvem grandes riscos, exatamente no setor da Casa 8 onde as exigências do parceiro obrigam a sacrificar muito do espaço pessoal e assim a ideia da morte do pessoal, para passar a ser a relação que tudo consome é o que predomina.

Sexo

Em 2016 estaremos pressionados a evoluir, a nos transformar, a mudar. Nossos campos energéticos estarão ativados e submetidos a afinações e correções delicadas, por isso teremos que ser muito cuidadosos e artistas ao viver a intensidade de troca da intimidade.

O sexo mexe e estabelece vínculos profundos. O liberalismo sexual dos anos 60 e 70 é perigoso nos dias atuais. Não é para se reprimir, mas para considerar com muita responsabilidade a arte de juntar os corpos, as vidas, trocar energias. Existe todo um caminho de delicias no namoro e no convívio, que devem ser realizados antes do sexo. O sexo deverá ser encarado com abertura e inspiração para inaugurar novos rituais, movimentos, ações onde o que orienta é o tesão e a disposição para facilitar o prazer do parceiro – por isto a ejaculação deverá ser evitada, a troca feliz exige tempo e disposição para sensibilizar todas as partes do corpo, experimentar diversos tipos de massagens, de toques, se deliciar na dança dos corpos, no canto… tantas e tantas delicias que quando o casal se perde quando é dirigido pelas performances clásicas do sexo pornografico divulgado pelos filmes porno e as midias.

Evite fazer sexo por carência afetiva

O sexo, as vezes, é praticado em busca de afeto. Preste atenção ao seu coração e proponha-se praticar o afeto na sua vida, nas diversas oportunidades que se oferecem, sem o conectar necessariamente a sexo. Evite relacionar afeto, carinho com sexo. Quer dizer: praticar o afeto, o carinho, as gentilezas sem que seja necessariamente a antessala do sexo.

O sexo só deve ser realizado quando se tem tempo, disposição

Evite fazer sexo, quando algum dos parceiros, se sente indisposto, ou sem condições ou tempo.

Evite qualquer tipo de droga no sexo

Se não consegue fazer sexo careta, é porque não é para ser feito. Quando o sexo é desejado por nossa alma e nosso corpo, não se precisa de estimulantes.

Sexo com amor

O sexo no amor é uma bênção, fora dele é uma perigosa droga. Custa tempo e energia para se recuperar de uma transa irresponsável. Evite-a.

Perturbações sexuais

Se você sente que tem perturbações sexuais, trate-se, trabalhe-se, mas não se permita ser dominado por suas perversões. Busque ajuda. Invista na sua saúde sexual.

Sexo sem ejaculação masculina

Ejaculação é para ter filhos. Ejaculação não é gozo.

O sexo é uma oportunidade sem igual para os amantes trocarem massagens, dançarem, cantarem seguindo as sensações… meditarem em determinadas posturas,… brincarem… se divertirem… trocarem carinho, afeto, amor…

O sexo performático e acrobático no estilo machista acompanhado de ejaculação masculina que é ensinado através dos filmes e na rua é um sexo que desgasta, agride e impede que aconteça toda a magia que acompanha o sexo amoroso.

Informe-se sobre o tantrismo e o Taoismo do Amor e do Sexo.

Inconsciente

A casa 8 é a continuação, aprofundamento, expansão do que se inicia na 7, cada parceiro oferenda seu mundo pessoal, seu caráter, suas necessidades, suas intimidades, seus recursos, suas loucuras… a casa 8 é o grande caldeirão onde os parceiros se impõem, se entregam, vivem os mais variados papeis, alguns deles agindo por baixo da consciência… ou quando lembrados, na hora esquecidos, repudiados, rejeitados, ou aquele tormento de lembrar sem querer a todo o momento situações, pessoas, cenas ligadas a fortes emoções que torturam por um lado e por outro extasiam.

Quando a relação entra na força da casa 8 ambos os parceiros morrem em partes fundamentais de sua personalidade, sacrificam muitas de suas rotinas, costumes, desejos, necessidades, vontades e em contrapartida ganham outros determinados pelo “ser casal” que nasce com o dia a dia da relação e que cresce se torna vivo e independente até da vontade de ambos os parceiros. Pode acontecer a relação comer as individualidades antigas dos parceiros e elas virarem outras pessoas depois de um casamento abençoado pelos mistérios e poderes da casa 8.

A casa 8 tem tudo a ver com o mito do sequestro de Plutão a Proserpina (Persefone)… que só conseguiu voltar a cada certo tempo ao mundo da luz a pedidos da mãe Demeter (Gaia) que chegou até mobilizar a Zeus para Plutão aceitar liberar periodicamente a Proserpina.

Muitas pessoas chegam a acreditar que se seus parceiros as abandonassem elas morreriam, porque na verdade a pessoa que ela era já morreu e ela agora vive só em função da relação, nas rotinas da relação, dependente do que a relação produz.

É verdade que se um bebe ou criança é abandonado pode sofrer muito para sobreviver ou até morrer… Desde a perspectiva da individualidade diferenciada que cada um de nós é, todos sentimos que fomos abandonados, ainda sendo aparentemente amados e os pais sacrificarem tanto de suas vidas para corresponder a nossas necessidades e nos facilitarem o que precisamos até sermos independentes.

A vida para nenhum de nós é fácil. Imagina então para aquele que foi abandonado mesmo, mal-tratado, rejeitado!!! São muitas as situações que podem gerar a síndrome do abandono. E a pessoa castigada pelos desdobramentos do “amor imaturo” do “amor carregando mágoas, ressentimentos, sofrimentos” sem querer faz um inferno a sua vida íntima, e destrói seus relacionamentos.

A casa 8 se torna o cenário inelutável para curarmos as feridas da alma. Isto é importante saber. Enquanto não curarmos as feridas da alma, a cada experiência o medo do abandono, da rejeição, acorda toda a dor vivida como sinalando algo que pode ser muito doloroso, e sem perceber a pessoa inicia o processo de autossabotagem que no fim vai conseguir chamar do que tanto foge….

Feridas da alma

Na casa 8 revivemos as feridas da alma no intuito da cura.

Sempre depois de muitas alegrias, felicidades, vem a mesmice, logo a chatice e do nada podemos começar a usar o nosso parceiro como objeto de ódio primal e descarregamos nele, seja a conta gota ou em avalancha, tudo aquilo que de mágoa e ressentimento foi acumulado em toda a historia de nossos relacionamentos, iniciando nesta vida no relacionamento com nossos pais, mas podendo também canalizar ódios e frustrações de outras vidas.

A casa 8 é o cenário onde podemos sofrer os mais terríveis ataques, muitas vezes até injustamente, ainda que se somos protagonistas dos fatos, em algo nos corresponde.

A casa 8 é cenário também para desmascarar “falsos eus” que nos sustentam em nossa vida social, e que emascaram o quanto nos amedronta a síndrome de se sentir indigno de ser amado ou os desdobramentos do amor imaturo preso em seus mecanismos estratégicos de controle emocional.

Na casa 8 descobrimos os nossos pecados, nossas emoções negativas, nossos piores defeitos e o melhor quase sempre somos julgados e condenados, as vezes até injustamente.

Mas na casa 8 vivemos também o êxtase, a comunhão, a cooperação, a entrega, a doação, a misericórdia, o perdão.

Só conhecendo o mal que nos habita poderemos o transmutar em bem, só namorando o feio poderemos fazer brotar o belo… e assim a casa 8 é uma oportunidade de descobrirmos aspectos de nossa personalidade que em outros setores conseguem se manter disfarçados, inconscientes. A casa 8 é uma oportunidade também de nos tornar mais humanos, mais amplos, conscientes, amplos, plenos.

O signo e planetas presentes na casa 8 indicam as forças que estão presentes em nossos processos de mudanças, transformações que tem a ver com nossos relacionamentos.

Amor negativo e Costumes negativos

Saiba que amor e sexo têm a ver com nossa programação emocional infantil e herança cármica, quando possível é aconselhável se curar do “Amor Negativo” e dos “Costumes negativos” para evitar autossabotagens nos seus relacionamentos. Existem técnicas terapêuticas atuais eficientes para tratar estas questões.

Intimidade

Seja muito cuidadoso e responsável com sua intimidade e sempre que seja possível deixe bem clara a sua intenção, a sua situação e as suas expectativas.

É costume o casal dormir junto, num mesmo quarto.

Tenho acompanhado muitas separações ultimamente que poderiam ser evitadas se os parceiros respeitassem seus espaços pessoais.

O motivo das separações não é que um parceiro não goste do outro, mas que as pessoas estão melhor se conhecendo, identificando com mais profundidade e detalhes seus gostos, necessidades, desejos. As pessoas estão se respeitando mais. E neste estado está ficando difícil administrar a mistura que provoca o jeito atual de se viver quando se casa.

Emoções profundas

Quando suas emoções profundas sejam ativadas lembre-se que a causa da mobilização é interior.

Habitualmente canalizamos toda a energia no enredo externo: julgando, refletindo, acompanhando o desenrolar do fora, do outro.

Nunca tome decisões em momentos de ódio ou de dor, pois você pode se arrepender e ser tarde demais para retificar.

No caso de estar em guerra interior, trate de não se expor enquanto a emoção negativa reinar.

Viva suas emoções negativas com proteção. Exemplo, nunca ataque no furor da raiva. Você evitará guerras desnecessárias e até uma possível derrota.

Traumas e perdas

Quando sofremos um trauma uma parte da nossa alma fica presa nele. E sempre que entramos em contato com algo que lembra o a situação os as pessoas envolvidas nosso estômago se retorce e detonam-se processos perturbados.

No xamanismo acostumam existir rituais chamados de “resgate da alma” que pretendem curar estas feridas da alma.

Drogas

As experiências não ordinárias de sensibilização, visão, são possíveis sem drogas, é só criar um espaço de meditação apropriado.

O uso de plantas alucinógenas exige a orientação do seu uso nas tradições que as cultuam, de outro jeito pode se sofrer.

De nada serve saltar passos, respeite o seu ritmo natural, ele é a via segura de chegar aonde você quiser.

No caso de precisar, use com acompanhamento de um especialista e atento às observações de seus chegados sobre seus comportamentos.

Se usar plantas de poder seja responsável consigo próprio e se abra para os conhecimentos e os rituais da tradição.

Os problemas e os conflitos da vida são uma oportunidade para crescermos. Devem ser enfrentados e solucionados. No caso de estar muito difícil, compartilhe com seus irmãos de coração, peça ajuda terapêutica e fundamentalmente espiritual.

Negócios

Os negócios devem ser realizados com transparência e ética. Os espertos que querem se aproveitar de subterfúgios e falcatruas serão desmascarados. Seja honesto e diáfano.

Quando você perder, não perca a lição junto.

Dinheiro dos outros

Seja responsável com os valores, riquezas e o dinheiro dos outros, assim como com o seu. Estude as leis do dinheiro.

Pesquisas profundas dos mistérios

Penetre nos mistérios com o coração limpo e as intenções puras. A prática da magia, fora de princípios éticos claros, é perigosa.

Medo

O medo é um grande aliado, aprenda com ele. Ao enfrentar o medo alcançasse a visão.

Evite atalhos aparentemente facilitadoras, caminhos mais curtos e desconhecidos podem ser os piores.

Mal

Aceite o mal, o conheça, mas não o alimente, o conheça para o transformar em bem.

Evite ser curioso para aquilo que é mal, pois a curiosidade para o mal pode ser mortal.

Crises e mudanças

para você quer conhecer o teu jeito pessoal e as potencialidades astrológicas diante crises pessoais, mudanças devera estudar a situação astrológica da casa 8.

Toda crise é detonada por uma situação de vida, mas com certeza não tem nela sua causa. Em geral as crises são devidas a necessidade de mudança de costumes, rotinas,  acordos, valores obsoletos que agindo no automático quando mexidos a pessoa se sente insegura, sem saber o que fazer e assim as vezes ativa seus mecanismos de controle imaturo.

O auspicioso diante de uma crise é meditar, pesquisar até descobrir onde se precisa mudar.

Tolerância

Pratique a tolerância, não como uma opção de renúncia do que se quer, mas como a melhor atitude para alcançar a vitória do que se quer. Evite a agressividade, só a use na defensiva como continuidade da ação do outro. Seja receptivo ao seu inimigo, respeite-o, consiga vê-lo, escutá-lo, entendê-lo, até conseguir amá-lo. Insista na possibilidade de diálogo amoroso abençoado pela paz.

Dicas para o êxito de um casamento em relação a Casa 8:

  •  Respeite as coisas de seu parceiro. Não mexa nos documentos, papeis, Facebook, e-mails;
  • Antes de chamar, invadir o espaço de seu parceiro cheque se ele está em condições do receber;
  • Se for possível tenha seu espaço pessoal na sua casa, tenha seu quarto. O ideal é que os parceiros durmam ou estejam juntos só quando estão ambos com vontade;
  • Opte sempre pelo diálogo amoroso para administrar diferenças, desentendimentos, desafios;
  • Estude também os motivos pessoais que fazem que você não goste de determinada coisa oo comportamento de teu parceiro. Faça questão também de entender os motivos pelos quais seu parceiro faz aquilo que você não gosta. Depois deste estudo está em condições de negociar com o parceiro o que fazer;
  • Escreva o seu “contrato ideal da intimidade do casamento”. Conheça o “contrato ideal da intimidade do casamento” de seu parceiro, construam juntos o contrato da relação..

Jornada pela Casa 9 – Sol em Sagitário – Fim da Primavera

Triunfos da casa 9:

  • definir os conhecimentos abstratos, as inteligências, as informações e as tecnologias necessários para tua participação na missão de vida;
  • entrar em contato com os mestres, os professores, os instrutores ideais para o desenvolvimento, aprimoramento e cura pessoal;
  • definir que dons e talentos deverão se transformar em aptidões e competências;
  • definir tua moral e ética pessoal em sintonia com a missão de vida;
  • perceber o que outras culturas, países tem a ver com tua missão de vida e ativar o que seja necessário;
  • processamento final – detectar o negativo, o reativo, as ameaças; detectar o positivo, o proativo, as oportunidades; aprimorar, curar; estabelecer estrategias e projetos para realizar propósitos e missão de vida.

desafio é a pessoa respeitar ideologias, religiões diferentes.

A nona iniciação inaugura a dimensão do social.

Na casa 9 se adquirem conhecimentos especializados, se desenvolve a mente abstrata. A nona prova é ampliar a visão, abrir horizontes, contracenar com o coletivo, o ambiente, o social, com as tradições, a moral, a ética, a ideologia, a filosofia, a religião, a ciência, as artes… e dentro desta riqueza não se perder, conseguir escolher, militar, produzir conciliando trocas com o diferente e as responsabilidades e deveres do pertencer.

No fogo da casa 9 encontra-se forças para estudar, pesquisar, aprender, refletir, filosofar adquirir as ferramentas que se precisam para agir socialmente.

A casa 9 inaugura a terceira dimensão da vida que corresponde ao nível social, espiritual, imaginário, planetário, cósmico, universal.

A maioria de nós passa o maior parte da vida envolvido nos assuntos da casa 1 e nas casas do elemento água: a casa 4, a casa 8 e a casa 12, cujos assuntos tem a ver com os sentimentos, as emoções, as necessidades, a família, o namoro, o casamento, o sexo. Ocupa bastante tempo também os assuntos da casa 6 e a casa 10 que tem a ver com as rotinas, o serviço, o trabalho para a sobrevivência e os cuidados com o corpo e a saúde. No entanto, os assuntos da casa 9 deverão ser conscientizados e desenvolvidos pela sua importância nos alicerces da vida.

futuro

Até a casa 8 estamos no presente sempre ligados ao passado. Na casa 9 por primeira vez olhamos para futuro vislumbrando novos horizontes, novas oportunidades, situações, novas pessoas. Em dependência da situação astrológica da casa 9 será o jeito que a pessoa vê o futuro.

Para conseguir ter pensar no futuro a pessoa terá que se situar na sua realidade e definir com ardor especial o que quer para sua vida.

Intuição, previsão, visão

A casa 9 permite a pessoa vislumbrar, prever, intuir o que é melhor para ela. Por exemplo, uma pessoa com Júpiter ou Sagitário na casa 9 pode ter uma visão do futuro positiva, as vezes exagerando em suas previsões… já uma pessoa com Saturno ou Capricórnio pode ter uma visão realista ou até pessimista do futuro.

Sentido da vida

Em determinado momento na vida a pessoa começa a ter a necessidade de dar um sentido a sua vida, de definir metas, ideais, definir normas de comportamento, optar por determinados valores morais.

Leis, ordens

Logo que se amadurece, se percebe que este mundo é regido por leis e ordens em todos os seus níveis…

É nesse momento que se acorda para os assuntos da casa 9 que permitem a pessoa se relacionar com o social, integrar grupos, redes nos quais pode participar com seus talentos, dons, conhecimentos…

Os acontecimentos na vida e as pessoas são vistas dentro de um sentido, uma cultura, uma ideologia, uma religião.

Estudos superiores, avançados

A entrada nos assuntos da casa 9 exige um constante aprimoramento garantindo assim mais competência para corresponder aos desafios sempre crescentes no plano social.

Tem pessoas que optam pelas escolas técnicas, outras pela universidade, outros se aprimoram direto na vida e na experiência.

A casa 9 em relação com o mapa natal como um todo pode dar dicas importantes da vocação e do melhor jeito de se preparar para realizar com competência a profissão.

Mente abstrata

A casa 9 presenteia também com a intuição, com a mente abstrata que permite criar símbolos, imagens, metáforas, conceitos, modelos, processos analíticos, analógicos, dedutivos, associativos, sintéticos, que permitem produzir poesia, literatura, pintura, música, artes, ciências, filosofias, religiões.

Em complementação a casa 3 que abençoa com os primeiros estudos, com as informações básicas da vida, com os conhecimentos concretos do dia a dia e do ambiente a casa 9 prepara a pessoa não só para a profissão mas para a vida.

A casa 3 tem a ver com o conhecimento objetivo de si e do ambiente, a casa 9 tem a ver com o conhecimento abstrato construído através das analogias, das abstrações, das generalizações, da intuição, da previsão, da premonição.

Expansão – estrangeiro

A casa 9 tem a ver com tudo que amplie, expanda, enriqueça o conhecimento, as informações, a cultura da pessoa. Quiçá por isso inclua nos seus assuntos o relacionamento com culturas estrangeiras e viagens.

As Riquezas Celestiais na Casa 9 vão informar o modo ou jeito de se abrir a visão do mundo com mais facilidade e as forças planetárias com que se podem contar para aprender, averiguar, se informar, se expressar, comunicar, trocar, se integrar, participar socialmente.

Sagrado

A casa 9 é também a experiência do Sagrado, quando além da morte, do ego se entra em contato com a beleza, as leis, as ordens que regem neste mundo, não através da razão, mas através da intuição, da fé, dos processos psíquicos, espirituais não ordinários.

Destino pessoal e coletivo

As tendências do destino e como a pessoa ou a coletividade poderá estar vendo seu futuro pode ser revelado numa combinação da situação da casa 9 natal com sua ativação pelos trânsitos planetários.

Jornada pela Casa 10 – Sol em Capricórnio- Início do Verão

Triunfos da casa 10:

  • construir a profissão, a participação social que tem a ver com tua missão de vida;
  • planificar teu tempo de tal maneira que você possa cumprir com tuas obrigações sociais e com teus compromissos e necessidades nos outros setores da tua vida;
  • garantir o que seja necessário para dar conta das expectativas que se esperam de tua performance, de tua participação;
  • atingir o nível de reconhecimento e o status anelado;
  • processamento final – detectar o negativo, o reativo, as ameaças; detectar o positivo, o proativo, as oportunidades; aprimorar, curar; estabelecer estrategias e projetos para realizar propósitos e missão de vida.

Perguntas que podem facilitar:

  • Daquilo que você faz o que as pessoas gostam mais? O que as pessoas pensam em você quando pedem tua participação? Quando as pessoas pensam em você o que elas lembram que você faz que elas gostam e te pedem?
  • Que tipo de atividade ou ação que você já fez foi reconhecida, elogiada, desejada?
  • Quais os resultados, os produtos da tua missão? Tem certeza que os resultados serão positivos, Que colaborarão com o bem-estar e a felicidade de teu público?

Na força do elemento Terra da casa 10 trabalhamos, participamos com perseverança, pragmatismo, objetividade, competência, responsabilidade do processo produtivo coletivo.

A décima prova da Roda das casas é participar da organização social em que se vive, oferecendo seu trabalho, seu serviço a troca de dinheiro, reconhecimento, honra, status.

Na casa 9 adquirimos conhecimentos especializados, definimos a profissão, a religião, construímos a visão de mundo, se define a moral e ética pessoal, se  prepara para poder participar socialmente em busca de reconhecimento, honra, status e produzir o dinheiro que se precisa para viver.

Na casa 10 impulsionado na força do modo cardinal se inicia o processo pessoal de ascensão social através do jeito de participar, servir, trabalhar, do modo de se integrar e encontrar o lugar que corresponde na sociedade a que se pertence.

Legado – marca no mundo

A casa 10 convida a realizar o “legado” a ser deixado na passagem por este mundo. Pode se chamar de “legado”, de “missão de vida”, “sonho de realização” aquelas ações que preenchem a alma de satisfação e dão a sensação de que é exatamente isso que se faz o que dá sentido a vida.

A casa 10 é o setor de experiência onde se sobe ate o mais alto grau de participação social para colaborar com algo que seja útil a coletividade a que se pertence.

Observe que a casa 10 espacialmente é a casa mais alta, mais distante do horizonte, a casa 10 é o lugar mais alto da roda das casas, é o topo da montanha que se tem que escalar para alcançar a excelência.

Capricórnio – Saturno

É nesta escalada ao topo do social através da profissão e da participação onde se aprende com o signo de Capricórnio e com seu regente Saturno o que se deve fazer.

Neste mundo não se consegue escalar, subir, ser reconhecido se não se participa socialmente de forma competente e excelente, oferecendo a sociedade algo que ela necessita e aprecia.

Para conseguir a excelência se tem que trabalhar arduamente. E não é só trabalhar com perseverança, mas trabalhar usando os talentos, habilidades firmadas nas virtudes apropriadas que levam ao sucesso.

A casa 10 iluminando a profissão, o trabalho

A casa 10, como todas as casas, indica para cada um importantes dicas do jeito que se tem que construir a profissão, o trabalho para poder atingir o sucesso.

A primeira dica é seguir ao pé da letra as exigências do planeta Saturno que ensina que para realizar a missão pessoal se exige autoconhecimento e conhecimento da realidade para saber escolher o trabalho cujo resultado satisfaça as necessidades, gostos, sonhos de um determinado público.

Saturno também ensina que para ganhar o reconhecimento social é preciso “trabalho e esforço árduo”. Ainda consciente dos talentos, habilidades, vocação e virtudes, a pessoa deverá se dedicar ao trabalho, ao serviço com amor, disciplina, perseverança, firmeza para gerar um produto de qualidade que seja bem aceito pelo público. Terá que agir também em concordância com as normas, as leis e os costumes vigentes.

A persistência, o conhecimento e a experiência também podem gerar bom resultado ainda não se tenha talento no que se faz.

Somos muitos e não é fácil fazer a diferença 

A casa 10 exige além de autoconhecimento, conhecimentos especializados, desenvolvimento de habilidades e talentos, experiência, comportamento exemplar, a garantia de que se vá a ter responsabilidade e competência para cumprir com aquilo que a pessoa se compromete.

A natureza competitiva da sociedade exige o constante aprimoramento profissional. Não é fácil vencer na sociedade, para conseguir se terá que encarar o jeito capricorniano, saturnino com ardor até se chegar onde se quer, e para se mantiver na posição alcançada ainda se terá que estar em sintonia com o processo de constante atualização, modernização e mudanças que acompanham a sociedade.

Para se ter sucesso se exige rigor, exigência, perseverança, responsabilidade, capacidade de auto superação, habilidade para lidar com imprevistos, maturidade emocional para vencer os golpes da vida, inteligência para lidar com desafios.

Os assuntos da casa 10 com certeza vão exigir trabalho, muito trabalho e competência para se conseguir vencer.

Só talento não é suficiente

É bom saber que ainda com talento, sem trabalho, sem prática não se consegue vencer.

Se for negligente, irresponsável, tiver conduta inadequada, desconhecer as regras do jogo, aquilo que foi alcançado poderá se perder, e em dependência dos erros e das faltas poderá se ser julgado e até castigado ou condenado ao fracasso. A sociedade as vezes age com crueldade com aqueles que não seguem as regras, a moral vigente, ou quando a pessoa não cumpre com aquilo que se comprometeu socialmente.

A casa 10 exige consciência e responsabilidade do lugar que se ocupa tanto no trabalho como na sociedade. Existem normas, limites, mecanismos, estruturas, hierarquias que deverão ser respeitadas para se alcançar o sucesso, e em quanto mais se sobe, mais rigorosas são as exigências e os castigos para os infratores. Por isso a boa formação na casa 9 e nas casas anteriores é o melhor alicerce para garantir a excelência e o sucesso.

Exigências da casa 10 e as questões pessoais

Ao assumir uma profissão a sociedade exige competência, os resultados prometidos e não serve de justificativa questões de índole pessoal, este o único jeito de se garantir o bom funcionamento da máquina social, cada um realizando o melhor possível o que lhe cabe.

Na hora do trabalho deverá se estar a serviço do que se faz e questões emocionais pessoais, excesso de simpatia, dispersão do propósito a ser alcançado poderá ser visto como falta de profissionalismo e ser julgado como incompetência ou mal trabalho. A casa 10 é exigente e não gosta das misturas com os assuntos das outras casas, isto é fundamental para garantir o reconhecimento e a honra naquilo em que se trabalha. Estar disposto a servir e atento a como os clientes ou o público que consome o que se produz é fundamental para garantir o êxito e a prosperidade.

Responsabilidade, consequência, valor da palavra

A casa 10 exige a capacidade de assumir compromissos, de se ter forças para superar erros, faltas, frustrações, avaliações negativas, contrariedades, maus momentos pessoais e sociais. A casa 10 exige a responsabilidade de dar conta do que se espera do trabalho por cima do que for e é por isto que a pessoa deverá estar consciente antes de assumir uma responsabilidade se está realmente em condições de cumprir o que seja acordado. Quando as expectativas levantadas são frustradas as portas se vão fechando e em determinado momento não se abrem mais. Determinação, firmeza, consequência são virtudes chaves na casa 10.

É por isto que a profissão deverá ser escolhida com muita responsabilidade e tendo em conta a vocação, os talentos e habilidades pessoais.

Hierarquia e relacionamentos de trabalho

A casa 10 também exige sensibilidade para lidar com a hierarquia, tanto quando se está por baixo, como quando se está por cima. Se for chefe, se terá que ter sabedoria para lidar com o comando, conduzir a chefia de forma autoritária, insensível, abusada poderá levar ao fracasso. Do mesmo jeito, quem está por baixo terá que aprender a lidar com seus superiores com adequação, ainda quando se tem um chefe mau. Só com um conhecimento profundo da dinâmica da hierarquia é que se pode subir e prosperar.

É muito importante também saber se relacionar com os companheiros, com os clientes e as pessoas envolvidas no trabalho. Problemas de relacionamentos podem sabotar uma brilhante carreira.

Tempo

Os assuntos da casa 10 regidos por Saturno exigem tempo, só provando a competência no tempo é que se consegue a vitória.

A prática ensina que um empreendimento é difícil render nos primeiros dois anos de começado. Começa a render em média depois dos primeiros 5 anos e se a qualidade e excelência no serviço se manter o serviço ou o produto poderá atingir as expectativas ou superá-las a partir dos 10 anos. Aquilo que tem sucesso rápido é difícil de manter. Tão rápido sobe, cai.

Atento aos resultados do trabalho

É bom estar atento aos resultados do trabalho que se executa. Se aquilo que se faz não está rendendo o resultado que se espera, se a vida não abre as portas ao que se faz, é um sinal da necessidade de se rever o que se está realizando no trabalho ou quiçá uma chamada a mudar de trabalho ou profissão.

É importante estar bem assessorado, saber trabalhar interdisciplinarmente, ter em conta tudo o que se precisa para que seu trabalho possa gerar os resultados que espera. Muitas vezes o resultado de seu trabalho não depende só de sua competência. Nesta situação é auspicioso saber se relacionar com clareza com os especialistas e as pessoas que complementam sua função.

mudar de trabalho

Não é auspicioso estar mudando muito de trabalho, na casa de Saturno, a experiência é moeda de valor. Por isto antes de mudar deverá se investir num assessoramento competente a favor da transformação a favor daquilo que dá certo no lugar e circunstâncias onde a pessoa se encontra.

É importante estar consciente das transformações constantes da sociedade exigindo uma atualização e adequação do trabalho que se oferece.

Jornada pela Casa 11 – Sol em Aquário – Meio do Verão

Triunfos a serem alcançados na Jornada pela casa 11:

  • aprender a cultivar os amigos;
  • identificar os grupos de afinidade e de interesse e desenvolver os projetos sociais que se quer junto a eles;
  • aprender a trabalhar em equipe, a viver em comunidade;
  • construir uma perspectiva de futuro que oriente tua esperança;
  • processamento final – detectar o negativo, o reativo, as ameaças; detectar o positivo, o proativo, as oportunidades; aprimorar, curar; estabelecer estrategias e projetos para realizar propósitos e missão de vida.

desafio é a pessoa saber criar a sua equipe.

Perguntas que podem auxiliar encontrar como a casa 11 pode colaborar com tua missão de vida:

  • Qual a necessidade social cósmica que inspira a tua missão?
  • Qual o teu papel, tua função nas equipes e grupos que participas?
  • Quais são teus projetos alinhados a missão de vida?
  • O que teus amigos e as pessoas dos grupos a que pertencem sentem que são teus maiores talentos, dos, aptidões, competências?

Na luz do ar da casa 11 estabelecemos novos relacionamento, articulamos e passamos a participar dos grupos ou comunidades que temos afinidades e interesses comuns.

Na casa 11 se descobre que se é também entidade coletiva, que cada um é um ponto de processamento, recepção e irradiação de energia e informação de varias redes que estruturam corpos maiores cuja vida é a soma da vida de todos os pontos e assim em cada um vibra vontades, desejos coletivos a favor de causas sociais, de interesses comunitários e muitas vezes este setor é tão forte que pode tomar o maior tempo de uma vida.

A medida que a pessoa vai se relacionando com mais pessoas percebe que entre elas existem as que inspiram um relacionamento mais profundo e cotidiano.

Estes vínculos inauguram um novo tipo de relacionamento além do familiar, do casamento, dos parceiros, do sexo.

E é aqui onde entram os amigos, os grupos de afinidades, os clubes, as torcidas, as escolas, os partidos, etc.

Na jornada através da casa 11 se transcende o plano pessoal, familiar, de parcerias para assumir ações cujo propósito é de interesse coletivo.

Na vivência da casa 11 se constroem eus novos, os eus sociais, que as vezes surpreendem aos eus pessoais com suas vontades, sentimentos e ideias ligados a um transe, função social que encontra sua identidade em um grupo ou não, mas que está ligado a necessidades e interesses coletivos.

Causas sociais

Engajados no social logo se descobrem “causas sociais” pelas que batalhar. Tipo batalhar pela criação de uma creche no bairro em que se vive; mobilizar a vizinhança pra a pavimentação de uma rua, etc…

Mas amadurecido as causas podem virar projetos sociais.

Projetos

A experiência com as “causas sociais” e as “causas pessoais”  se começa a gerar “projetos” que visam o melhoramento da vida e do ambiente. Percebe-se que a realidade está em constante processo de aprimoramento, que são muitos os desafios, as coisas por fazer em função do bem e cuidado comum.

Projetos de vida

Mais consciente de como o mundo funciona e do lugar e situação em que se encontra, surgem as inspirações para construir e realizar os “projetos de vida” que incluem a escolha de como se quer viver não só socialmente, mas também em relação à família e à vida pessoal. Os projetos de vida tem força para mudar totalmente a vida da pessoa, especialmente aquilo que foi herdado dos pais, da família, da cultura local.

Os projetos de vida se sustentam no conhecimento que se tem da realidade, na clareza do que se quer aprimorar, alcançar, na capacidade de realização e nos recursos que se é capaz de produzir.

Projetos sociais

Amadurecido com a tecnologia dos projetos de vida se passa a elaborar “projetos sociais” e muitos viram agentes e interventores sociais, representantes de comunidades, políticos.

Projetos são inseparáveis de planificação

Na casa 11 se aprende que projetos são inseparáveis de planificação e aqui o Mestre Saturno, regente desta casa nos dá as dicas do que se tem que seguir para garantir a realização dos projetos pessoais e os projetos de vida.

Tem pessoas que mantem seus projetos no nível de sonhos. Ainda não conseguem fazer realidade porque na verdade ainda não tem cacife para os equacionar, criar um plano de realização perdidos nos desafios da vida , nas urgências e solicitações do dia a dia.

Os projetos para se realizarem precisam que se pense neles, que se amadureça eles, que se defina com clareza onde se quer chegar ou no mínimo em que direção quer se ir. É auspicioso visualizar o que o projeto quer realizar.

Sabendo o que se quer, vem o momento de planificar, definir metas, propósitos, ações, as ferramentas e os recursos. Definir tempo e disponibilidade para cada etapa. A planificação bem clara se parte para a ação responsável, persistente, determinada (Saturno) estando pronto para a necessidade de mudanças, para os imprevistos, para as transformações em busca de maior afinação, rendimento, resultado (Urano).

projetos elaborados por outras pessoas

Muito do que se precisa se aprende na casa 10 quando se trabalha formando parte de projetos elaborados por pessoas já mais amadurecidas e competentes. Toda empresa, instituição um dia foi projeto de alguém.

Indecifrável

Por outro lado a etapa de evolução que corresponde a casa 11 também inclui a consciência da natureza indecifrável da vida, submetida às leis da impermanência e da dialética, acompanhada sempre do inesperado.

Urano

A casa 11 como o signo de Aquário está regida pelo planeta Urano que traz um nível superior de forças que se manifestam criando novas situações, promovendo mudanças e transformações impossíveis de prever, que muitas vezes nos chocam e levam a crises…

Na casa 11 se aprende a lidar com o lado oculto da vida, que surpreende, e ao mesmo tempo dá a liberdade de optar diante do novo, dos desafios que suscitam na pessoa partes também desconhecidas.

Neste momento é que ilumina a virtude da esperança, mantendo crente que ainda sem controle das forças do destino se vai conseguir encontrar saídas iluminadas diante os desafios imprevisíveis.

É a esperança que sustenta nos momentos difíceis onde a razão e o entendimento não chegam…

A esperança é uma força de sustentação nesta etapa onde se anda com um pé no passado e outro no futuro, ainda o corpo no presente emaranhado com os tantos desafios que a vida nos cria no dia a dia.

Na casa 11 se percebe que a vida está submetida a muitas forças transcendentes, que agem além da vontade, está é a realidade que se tem que encarar e mais, encontrar nela a tranquilidade, a paz, a felicidade ainda sem se ter o controle do que vai suceder no próximo passo.

Jornada pela Casa 12 – Sol em Peixes – Fim do Verão

Triunfos da casa 12:

  • meditar o tempo suficiente a te conectar com teu ser espiritual;
  • conseguir diminuir o ego, os interesses pessoais, a ponto de perceber o jeito em que vivem os outros, em sentir o astral;
  • lidar com sabedoria com a mediunidade, com a sensibilidade ao astral geral;
  • amar incondicionalmente;
  • entrar no silêncio;
  • encontro e diálogo com mestres e guias espirituais;
  • processamento final – detectar o negativo, o reativo, as ameaças; detectar o positivo, o proativo, as oportunidades; aprimorar, curar; estabelecer estrategias e projetos para realizar propósitos e missão de vida.

desafio é a pessoa não se perder no astral negativo.

bênção é a conexão com o plano espiritual.

Na magia do elemento água que reina na casa 12 se é iniciado na rede do coração que une todos os corações, e que por sua vez abre as portas do passado desde um ponto de vista emocional, abrindo acesso ao ilimitado mar dos sentimentos e emoções vividos em outras vidas e os vividos por outras pessoas, seres e a coletividade.

A casa 12 é o chamado arquivo de memória coletivo onde cada coisa se encontra nas suas inter-relações e conexões. Em função desta riqueza e complexidade cada pessoa viverá os assuntos da sua casa 12.

Na Casa 12 se vive o retiro, a solidão, os momentos de intimidade com a alma. A casa 12 correspondem também a hospitalização, o exílio, a prisão, o sacerdócio.

O magnetismo da casa 12 impele a servir, a colaborar com o melhor de nós de forma voluntária, despojada, altruísta, com a única intenção de colaborar com o bem-estar e a felicidade do próximo, muitas vezes até de forma anonima.

Com a casa 12 tem também a ver aquilo que fazemos oculto e possuídos por forças inconscientes, ocultas, atividades entre bastidores.

Pessoas com muitos planetas na casa 12 ou com os regentes da 06, 09, 10, 11 na 12 passam muito tempo do dia retirados ou em trabalhos em instituições de retiro como hospitais, prisões, templos religiosos.

A casa 12 é também o portal onde encontramos através da meditação, de rituais, de cerimônias mestres, guias, entidades planetárias… onde falamos com deus, onde oramos… onde vivemos a lenda pessoal,… onde revisitamos o que vivemos no dia a dia… onde vivemos o nada… onde contemplamos…

Na casa 12 aprendemos a nos nutrir do amor incondicional, da caridade, da doação anônima, aprendemos a sentir prazer, satisfação em colaborar com a felicidade e o bem-estar dos outros sem querer nada em troca.

O propósito da Jornada pela “Roda das casas” é te ensinar como ler no teu mapa estas dicas e orientações que vão contribuir para que saibas em que direção investir para poder desempenhar com maestria as experiências próprias de cada setor da vida.

te amo

Hector Othon

19 de abril de 2016

0Respostas em Jornada da roda das casas e Missão de vida"

©2015 Astrothon.